Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: África com mais 291 mortes e 15.325 novos casos em 24 horas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Redação, 06 dez 2020 (Lusa) -- África registou 291 mortes devido à covid-19 e mais 15.325 novos casos de infeção nas últimas 24 horas, contabilizando agora 53.543 óbitos causados pelo novo coronavírus, segundo dados oficiais.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o continente africano conta agora com 2.248.269 casos de pessoas infetadas nos 55 membros da União Africana.

O número de recuperados nas últimas 24 horas foi de 12.240, para um total de 1.916.227.

O maior número de casos de infeção e de mortos regista-se na África Austral, com 910.269 casos e 23.743 vítimas mortais.

Nesta região, a África do Sul, o país mais afetado do continente, ultrapassa agora os 800 mil casos de infeção (810.449) e contabiliza 22.067 mortes.

O Norte de África é a segunda zona mais afetada pela pandemia, com 780.261 pessoas infetadas e 20.349 vítimas mortais.

A África Oriental contabiliza 281.493 casos e 5.346 mortos, na África Ocidental, o número de infeções é de 209.557, com 2.900 mortos, enquanto a África Central regista 66.689 casos e 1.205 óbitos.

O Egito, que é o segundo país africano com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, regista 6.750 mortos e 118.014 infetados, seguindo-se Marrocos, que contabiliza 6.184 vítimas mortais e 376.738 casos de infeção.

Entre os seis países mais afetados estão também a Tunísia, com 102.991 infetados e 3.526 mortos, a Argélia, com 87.602 infeções e 2.484 mortos, a Etiópia, com 112.740 casos e 1.745 vítimas mortais, e a Nigéria, com 68.937 infetados e 1.180 óbitos.

Em relação aos países de língua oficial portuguesa, Angola regista 354 óbitos e 15.536 casos, seguindo-se Moçambique (133 mortos e 16.133 casos), Cabo Verde (109 mortos e 11.036 casos), Guiné Equatorial (85 mortos e 5.159 casos), Guiné-Bissau (44 mortos e 2.441 casos) e São Tomé e Príncipe (17 mortos e 997 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito, em 14 de fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.519.213 mortes resultantes de mais de 65,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

AH // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras