Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Pandemia já infetou mais de 54 milhões de pessoas em todo o mundo

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Paris, 15 nov 2020 (Lusa) -- A doença covid-19 já infetou mais de 54.001.750 pessoas e provocou a morte de pelo menos 1.313.471 indivíduos desde que surgiu no final de dezembro de 2019, de acordo com um balanço efetuado hoje pela agência noticiosa AFP.

Dos valores apresentados no balanço, pelo menos 34.599.700 de pessoas já foram consideradas curadas, embora o número de casos diagnosticados reflita apenas uma fração do número real de infeções, uma vez que alguns países testam apenas casos graves, outros dão prioridade aos testes de rastreamento e muitos países apresentam uma capacidade limitada de testagem.

No sábado, foram registados em todo o mundo 9.246 mortes e 607.998 novos casos de contágio, com os Estados Unidos (1.351), Brasil (921) e México (635) a serem os países que contabilizaram um maior número de novos óbitos nos seus relatórios mais recentes.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela pandemia, tanto em mortes como em casos, com 245.614 pessoas a falecerem devido à doença em 10.905.598 casos, de acordo com a contagem da Universidade Johns Hopkins, que anuncia 4.148.444 pessoas já curadas.

O Brasil (165.658 mortes e 5.848.959 casos), a Índia (129.635 óbitos em 8.814.579 infeções), o México (98.259 mortes em 1.003.253 contágios) e o Reino Unido (51.766 mortos, num total de 1.344.356 casos) são os países que figuram no topo dos mais afetados, a seguir aos Estados Unidos.

Entre as nações mais atingidas, a Bélgica é a que apresenta um maior número de óbitos em comparação com a sua população, com 123 mortes por cada 100.000 habitantes, secundado por Peru, com 107, Espanha, com 87, e Argentina, com 78.

A China, no qual não se incluem os territórios de Hong Kong e Macau, contabiliza oficialmente um total de 86.338 casos, acrescentando 13 nas últimas 24 horas, incluindo 4.634 mortes e 81.319 recuperações.

A América Latina e Caraíbas totaliza 423.176 mortes em 12.023.640 casos pelas 11:00 de hoje, sendo a região mais afetada em todo o mundo, seguida pela Europa, com 334.968 mortes (14.432.068 casos), Estados Unidos e Canadá, com 256.487 óbitos (11.195.957 contágios), Ásia (181.799 mortes em 11.440.026 casos), Médio Oriente (68.991 óbitos em 2.913.735 infeções), África (47.109 mortes e 1.966.317 casos), e Oceânia (941 óbitos em 30.008 casos).

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pela AFP junto das autoridades nacionais competentes e de informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

DYRP // VC

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

NATO: Ministra da Defesa acredita que oposição turca a adesão de Suécia e Finlândia será ultrapassada

Bruxelas, 17 mai 2022 (Lusa) -- A ministra da Defesa, Helena Carreiras, disse hoje acreditar que os obstáculos colocados pela Turquia à adesão de Suécia e Finlândia à NATO serão ultrapassados, afirmando que essa é a convicção geral entre todos os Estados-membros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras