Info

Óbito/Ribeiro Telles: "Agiu, como poucos, na transformação de Portugal" - ministra da Cultura

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 nov 2020 (Lusa) -- A ministra da Cultura lamentou "profundamente" a morte do arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, hoje, aos 98 anos, "uma voz que transformou a defesa do ambiente num posicionamento cultural" e "agiu, como poucos, na transformação" de Portugal.

Num comunicado divulgado pelo Ministério da Cultura, Graça Fonseca recorda o "arquiteto, político e professor universitário Gonçalo Ribeiro Telles", que, "através das paisagens, marcou a cultura e o património portugueses".

Gonçalo Ribeiro Telles, figura pioneira na arquitetura paisagista em Portugal, cuja carreira também se destacou na cidadania, ecologia e na política, morreu hoje à tarde, em casa, em Lisboa, rodeado por familiares, revelou à agência Lusa fonte próxima da família.

A ministra da Cultura salienta que o "longo percurso pessoal e profissional" de Gonçalo Ribeiro Telles "é, ao mesmo tempo, "sinónimo de serviço público e espelho do impacto vasto que a sua ação teve na sociedade portuguesa, na formação da consciência ecológica dos portugueses e na profunda transformação que as suas ideias inovadoras operaram na forma como se olha para o ambiente".

Para Graça Fonseca, o arquiteto paisagista "abriu horizontes e ensinou a ler e conhecer o território como um todo, bem como a compreender a importância central da sua preservação".

"Desta forma, mostrou-nos que a ecologia é, também, uma dimensão fundamental do nosso património cultural. Da sua intervenção pública na área da cultura destaca-se o papel central que teve na fundação do Centro Nacional de Cultura, que comemora este ano 75 anos e do qual era o sócio número um, cuja identidade será sempre inseparável da sua visão idealista e do seu compromisso apaixonado", refere.

A responsável da pasta da Cultura lembra ainda que Gonçalo Ribeiro Telles, que tinha "um perfil educador, permanentemente envolvido e interessado", "agiu, como poucos, na transformação de Portugal".

"A cultura portuguesa perdeu hoje o talento de um dos seus grandes arquitetos, mas também uma voz que transformou a defesa do ambiente num posicionamento cultural. É este, também, o seu legado e o exemplo que, em sua homenagem, seguiremos", afirma.

Nascido em 25 de maio de 1922, em Lisboa, Gonçalo Ribeiro Telles idealizou, entre outros, os chamados "corredores verdes" de Lisboa e concebeu os jardins da Fundação Calouste Gulbenkian, também na capital, em conjunto com o arquiteto António Viana Barreto.

Professor Honoris Causa pela Universidade de Évora e professor Emérito desta instituição, onde criou o curso de Arquitetura Paisagista, Gonçalo Ribeiro Telles gostava de citar os frescos de Ambrogio Lorenzetti, no Palácio Comunal de Siena, vindos do século XIII, com exemplos de "Bom Governo" e "Mau Governo", na gestão e ordenamento das cidades.

No primeiro caso, sublinhava a imagem de uma cidade de portas abertas, numa comunicação entre o campo organizado e a urbe, com gente a entrar e a sair.

No segundo caso, a mesma cidade mas com as portas encerradas, como num grande condomínio fechado, e as representações da crueldade, da traição, da maldade, da vã glória e da soberba, lado a lado com o tirano.

Gonçalo Ribeiro Telles foi distinguido com o grau de Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, em 1969, com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo, em 1988, com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade, em 1990, e com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, em 2017.

O Governo decidiu hoje decretar um dia de luto nacional, na quinta-feira, pela morte do arquiteto paisagista e fundador do PPM (Partido Popular Monárquico), Gonçalo Ribeiro Telles, disse à agência Lusa fonte oficial do executivo.

JRS (AG/PMF) // MAG

Lusa/fim

+ notícias: País

Miocardite por infeção é 60 vezes mais frequente do que após vacina contra a Covid-19

A miocardite por infeção com SARS-CoV-2 é 60 vezes mais frequente do que após a vacinação e pode ter sintomas mais graves e complicações e sequelas a curto prazo, refere um parecer técnico hoje divulgado.

Denúncias de cibercrimes duplicaram em 2021

As denúncias de cibercrimes duplicaram no ano passado, chegando às 1.160, mais do dobro do ano anterior, segundo os números divulgados pelo Gabinete de Cibercrime da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.