Info

Óbito/Ribeiro Telles: Ferro anuncia bandeira do parlamento a meia haste e salienta o seu "imenso legado"

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 nov 2020 (Lusa) - O presidente da Assembleia da República anunciou hoje que a bandeira do parlamento ficará simbolicamente a meia haste na quinta-feira pela morte de Gonçalo Ribeiro Telles e salientou o seu "imenso legado", em especial no domínio ambiental.

Gonçalo Pereira Ribeiro Telles, figura pioneira da arquitetura paisagista em Portugal, morreu hoje à tarde, na sua casa, em Lisboa.

"Ausente da vida pública há alguns anos, o arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles deixa-nos hoje, aos 98 anos, uma notícia que muito me entristece. Tinha pelo arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles a maior admiração e estima", escreve Ferro Rodrigues numa nota publicada na página oficial da Assembleia da República.

O presidente da Assembleia da República considera depois que o legado de Gonçalo Ribeiro Telles "é imenso".

"E é imensa a marca que, em 98 anos de uma vida intensa, nos deixa o arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles, na sua cidade de Lisboa e no país que tanto o admirava. Personificou, até ao seu falecimento, "A Utopia com os Pés na Terra" - título de uma obra que aborda, precisamente, o ideário de Ribeiro Telles. Os portugueses perdem hoje uma das suas grandes referências, em homenagem à qual a bandeira da Assembleia da República ficará amanhã [na quinta-feira], simbolicamente, a meia haste", adianta Ferro Rodrigues.

Na sua mensagem, Ferro Rodrigues refere que cresceu "a ouvir os seus ensinamentos" do arquiteto paisagista, os quais sempre reputou "da maior relevância".

"Desde muito jovem que acompanhei o seu percurso, especialmente após as grandes cheias de Lisboa, em novembro de 1967 - tragédia que tantas vidas ceifou, que [Oliveira] Salazar quis esconder e contra a qual Ribeiro Telles se insurgiu na televisão, apontando o desordenamento como causa direta do sucedido. Um momento que marca o início da minha vida política", revela o antigo secretário-geral do PS entre 2002 e 2004.

O presidente da Assembleia da República lembra depois que Gonçalo Ribeiro Telles "foi fundador do PPM (Partido Popular Monárquico), em representação do qual integra os I, II e III governos provisórios, como subsecretário de Estado do Ambiente, e o I Governo Constitucional, liderado por Mário Soares, como secretário de Estado da mesma pasta".

"É intensa a atividade que aí inicia. Integrando a Aliança Democrática em 1979, é por esta eleito para a Assembleia da República nesse mesmo ano, e, novamente, em 1980 e em 1983. No parlamento, deixa uma marca inquestionável na Lei de Bases do Ambiente, na Lei da Regionalização, na Lei Condicionante da Plantação de Eucaliptos, na Lei dos Baldios ou na Lei da Caça", assinala Ferro Rodrigues.

O presidente da Assembleia da República menciona em seguida que o fundador do PPM, entre 1981 e 1983, integrou o VIII Governo Constitucional como ministro de Estado e da Qualidade de Vida.

"Afastado do PPM, regressa à Assembleia da República em 1985, como deputado Independente eleito nas listas do PS", completa.

Na perspetiva de Ferro Rodrigues, "foi graças ao arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles que, em Portugal, se começou a ouvir falar de paisagismo, de estrutura verde, de corredores ecológicos - ainda nos anos 50 e 60, muito antes destes temas se tornarem correntes, visionário que era e sempre foi".

"É graças ao arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles que Portugal dispõe hoje de uma rede, não tão integrada quanto o foi nos remotos anos 80, de áreas dedicadas à salvaguarda da estrutura ecológica e à proteção de solos - a Reserva Ecológica Nacional e a Reserva Agrícola Nacional. A assinatura do mestre da paisagem está um pouco por todo o lado: Dos Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian (com Viana Barreto) ao Plano Verde de Lisboa, passando pelo corredor ecológico que liga Monsanto à Serra da Carregueira e à Serra de Sintra, ou pelo Jardim que projetou para a Expo'98", acrescenta o presidente da Assembleia da República.

PMF // SF

Lusa/fim

+ notícias: País

Portugal regista mais 40.090 casos de Covid-19 e mais 34 mortes nas últimas 24h 

Portugal registou hoje mais 34 mortos associadas à covid-19 e 40.090 novas infeções com o coronavírus SARS-CoV-2, segundo dados da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Problemas com certificados de dose de reforço em Portugal resolvidos

A Comissão Europeia disse hoje ter sido notificada de que os problemas em Portugal na emissão de certificados covid-19 da União Europeia (UE) com a informação da dose de reforço da vacina estão já resolvidos, não existindo constrangimentos.

Bares e discotecas reabrem hoje a partir das 22:00

Os bares e discotecas voltam a abrir hoje à noite, após novo encerramento de três semanas devido à covid-19, com os clientes sem dose de reforço da vacina a terem de apresentar teste negativo para entrar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.