Óbito/Ribeiro Telles: Figura "absolutamente marcante", diz associação Zero

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 nov 2020 (Lusa) -- O presidente da associação ambientalista Zero, Francisco Ferreira, diz que o arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles foi "absolutamente marcante" para o território atual e que o país lhe deve muito.

O arquiteto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, figura pioneira na arquitetura paisagista em Portugal, morreu hoje, em Lisboa, aos 98 anos, revelou à agência Lusa fonte próxima da família.  

Num comentário à morte do arquiteto o presidente da Zero afirmou que ainda hoje há uma geração que aprendeu com Ribeiro Telles, que inspirou o movimento ambientalista em Portugal, e que foi "crucial nas políticas de ordenamento do território".

"Foi absolutamente marcante para o território que temos neste momento. Se ele não tivesse concebido a Reserva Agrícola Nacional, procurando preservar os nossos melhores solos, se ele não tivesse pensado na Reserva Ecológica Nacional, que impediu que muita construção surgisse em locais de risco do ponto de vista ecológico e ambiental, se ele não tivesse também estado ligado aos primeiros planos diretores municipais, numa forma semelhante à que temos agora, o planeamento, e acima de tudo a paisagem, as cidades, Lisboa de forma mais marcante, seriam muito diferentes e para muito pior", disse Francisco Ferreira.

Os portugueses têm "muito a dever ao trabalho e à vida" de Ribeiro Telles, disse o líder da organização não-governamental, lembrando que o arquiteto foi subsecretário de Estado do ambiente e depois ministro da Qualidade de Vida (entre 1981 3 1983), quando foi "crucial nas políticas de ordenamento do território", inovadoras, que determinaram o que viria a ser ordenamento à escala do país.

"Esta ideia de salvaguardar os solos mais produtivos e as áreas mais sensíveis do ponto de vista ecológico numa reserva é realmente pioneira e absolutamente decisiva", disse Francisco Ferreira.

 

FP // HB

Lusa/fim

+ notícias: País

Incêndio na Serra da Estrela deixa mancha negra de luto. Habitantes estão preocupados com o futuro

Ao fim de 12 dias, o incêndio na Serra da Estrela deixou uma mancha negra de luto, tapando o verde que outrora sobressaía. Ao Porto Canal, os habitantes mostraram-se preocupados com o futuro, visto que o principal alimento dos animais foi consumido pelo incêndio.

Casal de emigrantes vê negócio na Serra da Estrela alterado pelas chamas

Um casal de emigrantes, que estava na França há mais de 50 anos, decidiu investir em turismo rural na Serra da Estrela. No entanto, ao longo destes últimos dias viram o seu negócio ser alterado pelas chamas.

Registo de galinhas poedeiras obrigatório em setembro

Os criadores de galinhas poedeiras estão obrigados a registar os seus animais em setembro, com exceção dos estabelecimentos com menos de 350 aves, indicou hoje a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).