Covid-19: Marcelo afirma que há maioria de dois terços para estado de emergência "muito limitado"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 02 nov 2020 (Lusa) - O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje que existe uma maioria de pelo menos dois terços para aprovar um estado de emergência "muito limitado", após ter ouvido os partidos com representação parlamentar.

Em entrevista à RTP, o chefe de Estado realçou que está em causa um estado de emergência "muito limitado, de efeitos sobretudo preventivos", e não "apontando para o confinamento total ou quase total" que aconteceu entre 19 de março e 02 de maio.

"É esta a inclinação dos partidos que ouvi - vamos ver se é inclinação dos parceiros económicos e sociais. Mas é a inclinação do próprio Governo. E o Presidente da República está a ponderar", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

No seu entender, desde a primavera, quando "havia uma unidade" entre responsáveis políticos em Portugal em relação ao combate à covid-19, "a política mudou, os setores políticos mudaram".

"Se perguntar neste momento por um confinamento, já não digo total, mas um confinamento muito vasto, a resposta é não. A resposta é sim a um estado de emergência limitado: sim, com quem diga não e quem se abstenha, mas sim de uma maioria clara", referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que "é uma maioria que está nos dois terços ou acima dos dois terços" em defesa desse "estado de emergência limitado", e observou "Se isto não é uma maioria clara - uma maioria de revisão constitucional - não sei o que é uma maioria clara".

IEL // SF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Estado contrata empresa "em falência técnica" para decisão sobre novo aeroporto

O Estado português contratou serviços de consultoria para a escolha da localização do novo aeroporto de Lisboa a uma empresa que está em falência técnica, desde 2019. A confirmação é dada ao Porto Canal por um economista que analisou as contas da Asa Aviation Consulting e surge depois de os contratos celebrados com o Instituto da Mobilidade e Transportes (IMT) terem levantado dúvidas na Assembleia da República.

Rangel diz que caso de Sérgio Figueiredo é mais um "tique de absolutismo" do PS. Bloco de Esquerda e PCP dão o tema por encerrado

O vice-presidente do PSD lamenta o silêncio do ministro das Finanças enquanto evoluía a polémica à volta da contratação de Sérgio figueiredo para o seu ministério. Paulo Rangel denuncia ainda o facto de o contrato permanecer secreto e chama a este caso o primeiro-ministro António Costa. Já Bloco de Esquerda e PCP dão o caso por encerrado, ao contrário do Chega que ainda espera explicações do gioverno. 

PSD diz que incêndios "são problema político" a que Governo não dá "resposta à altura"

O PSD considerou esta quarta-feira que os incêndios são "um problema político" ao qual António Costa e o PS "não sabem, não estão a dar, uma resposta à altura" e acusou o Governo de ser "especialista em desresponsabilizar-se".