Covid-19: Governo pede estado de emergência para limitar deslocações e requisitar meios de saúde

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 02 nov 2020 (Lusa) - O primeiro-ministro invocou hoje a necessidade de estado de emergência para "robustecer" juridicamente a resposta em quatro dimensões contra a covid-19, designadamente a limitação de circulação e requisição de meios aos setores privado e social da saúde.

Essas quatro razões foram apresentadas por António Costa após ter sido recebido em audiência pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no Palácio de Belém, a quem propôs o regresso ao estado de emergência com "uma natureza preventiva", visando eliminar dúvidas de ordem jurídica.

As quatro dimensões em que o executivo pretende um quadro jurídico mais robusto são as restrições à circulação em determinados períodos do dia ou de dias de semana, ou, ainda, entre concelhos; a possibilidade de requisição de meios aos setores privado e social da saúde; a abertura para a requisição de trabalhadores (seja no público ou no privado), alterando eventualmente o seu conteúdo funcional, para auxiliarem em missões consideradas urgentes no combate à pandemia; e a legalidade da recolhe de temperatura, seja no acesso ao local de trabalho, seja no acesso a qualquer outro espaço público.

PMF // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Política

Lista de Luís Montenegro ao Conselho Nacional tem maioria absoluta com 42 eleitos

A lista da direção ao Conselho Nacional do PSD encabeçada pelo presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, obteve hoje no congresso maioria absoluta, elegendo 42 dos 70 conselheiros, 60% dos lugares.

Congresso PSD: Montenegro já votou para os órgãos nacionais do partido

O presidente eleito do PSD, Luis Montenegro, já votou para as eleições dos órgãos nacionais do partido e deixou para mais tarde qualquer intervenção.

PSD/Congresso: Montenegro pede “apoio significativo” para as suas listas

O novo presidente do PSD, Luís Montenegro, pediu hoje "um apoio significativo" na votação de domingo para as listas aos órgãos nacionais que anunciou, considerando que tal será "um sinal para Portugal"