Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Pandemia do novo coronavírus já matou 1.201.450 no mundo

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Paris, 02 nov 2020 (Lusa) - A pandemia do novo coronavírus matou 1.201.450 no mundo desde que a OMS relatou o início da doença no final de dezembro, segundo dados levantados hoje pela agência de notícias AFP junto de fontes oficiais, até às 11:00.

Mais de 46.543.100 casos de contágio pelo SARS-CoV-2 foram oficialmente diagnosticados desde o início da epidemia, dos quais pelo menos 30.903.200 pessoas já foram consideradas curadas.

Esse número de casos diagnosticados, entretanto, reflete apenas uma fração do número real de infeções. Alguns países testam apenas os casos graves, outros priorizam o teste para rastreamento e muitos países pobres têm uma capacidade limitada de teste.

No domingo, 5.189 mortes e 457.794 novos casos foram registados em todo o mundo. Os países que contabilizaram o maior número diário de mortes nos seus boletins mais recentes são os Estados Unidos, com 614, Índia (496) e Irão (440).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 231.003 mortes entre 9.208.874 casos positivos de SARS-CoV-2, de acordo com o levantamento da Universidade Johns Hopkins. Pelo menos 3.630.632 pessoas foram declaradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 160.074 mortes e 5.545.705 casos, a Índia com 122.607 mortes (8.229.313 casos), o México com 91.895 mortes (929.392 casos) e o Reino Unido Unidos com 46.717 mortes (1.034.914 casos).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que possui o maior número de mortes em relação à sua população, com 105 mortes por 100.000 habitantes, seguido pela Bélgica (101), Espanha (77), Brasil (75).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) contabilizou oficialmente um total de 85.997 casos (24 novos entre domingo e segunda-feira), incluindo 4.634 mortes e 81.024 recuperações.

A América Latina e Caribe totalizaram 403.015 mortes em 11.355.634 casos até hoje às 11:00, a Europa 280.772 mortes (10.690.122 casos), os Estados Unidos e Canadá 241.182 mortes (9.445.641 casos), a Ásia 171.485 mortes (10.633.543 casos), o Médio Oriente 60.807 mortes (2.586.451 casos), a África 43.167 mortes (1.797.090 casos) e a Oceania 1.022 mortes (34.619 casos).

Esta avaliação foi realizada com base em dados recolhidos pelos escritórios da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

CSR // ANP

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras