Covid-19: Bolsa de São Paulo cai 4,25% com novas restrições na Europa face à pandemia

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 28 out 2020 (Lusa) - A bolsa de São Paulo caiu hoje 4,25% e o seu principal índice, Ibovespa, fechou a 95.368 pontos, pressionado pelas novas restrições adotadas na Europa para conter a segunda onda da pandemia de covid-19.

A bolsa paulista registou assim a sua quarta queda consecutiva, enquanto o dólar norte-americano continua a subir e hoje valorizou 1,31%, fechando a sua cotação em 5,75 reais (0,85 cêntimos de euro) para compra e venda.

A moeda norte-americana atingiu 5,79 reais durante o dia, o maior valor desde meados de maio, o que obrigou o Banco Central do Brasil a intervir e injetar mais de mil milhões de dólares (mais de 850 milhões de euros) no mercado de câmbio.

A bolsa de valores de São Paulo seguiu na esteira dos restantes mercados internacionais, que viram as sessões tingidas de vermelho devido à incerteza em torno das consequências e da magnitude da segunda onda da pandemia do novo coronavírus.

As duas maiores economias da União Europeia (UE), França e Alemanha, anunciaram hoje novas medidas de distanciamento social, incluindo o encerramento de bares e restaurantes e a paralisação de outras atividades não essenciais.

Os investidores observam com preocupação a deriva da pandemia e temem que o processo de recuperação económica não seja tão rápido quanto acreditavam.

Ao medo pela segunda onda de covid-19 na Europa, soma-se a incerteza devido à derrapagem fiscal no Brasil.

Os agentes económicos avaliam que a agenda de reformas, inclusive a administrativa, e o ajuste fiscal do Governo não estão a avançar no Congresso, algo que consideram fundamental para reequilibrar as já enfraquecidas contas públicas do país.

O défice público nominal atingiu, no acumulado anual até agosto, o equivalente a 16,7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, em comparação com os 5,89% alcançados no mesmo período de 2019, enquanto que a dívida bruta disparou para 88,8% do PIB.

No total, a bolsa de São Paulo perdeu 4.236 unidades na sua pontuação acumulada.

O volume de negócios atingiu 29.339 milhões de reais (cerca de 4,34 milhões de euros), num total de 3.975.643 operações financeiras, segundo dados preliminares ao final da sessão.

Praticamente nenhum valor da bolsa encerrou o dia em positivo e entre as maiores perdas ficou o setor de aviação, com quedas de 9,58% e 9,03% nas ações das companhias aéreas Azul e Gol, respetivamente.

Os títulos mais negociados da sessão foram os ordinários da administradora de comércio Via Varejo (-7,36%) e os preferenciais da petrolífera estatal Petrobras (-6,09%) e do banco Bradesco (-5,66%).

MYMM // JLS

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Rússia apodera-se do controlo administrativo de central de Zaporíjia

A Rússia apropriou-se, esta quarta-feira, formalmente da central nuclear de Zaporíjia, no sul da Ucrânia, ocupada militarmente há meses, o que levou o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) a viajar de urgência para Kyiv.

Twitter aceita oferta de Elon Musk para comprar rede social por 44 mil milhões de dólares

O Twitter divulgou o seu acordo para que o empresário Elon Musk adquira a rede social por 44 mil milhões de dólares, como tinha sido acordado anteriormente, decisão que deverá resultar no cancelamento do processo judicial entre as partes.

Sobe para 131 número de mortos em estádio na Indonésia

As autoridades indonésias elevaram para 131 o número de mortos num estádio de futebol na ilha de Java, sendo que 400 pessoas ficaram feridas.