Covid-19: Mais 549 mortes e 29.787 novas infeções no Brasil

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 27 out 2020 (Lusa) - O Governo brasileiro informou hoje que o país somou 549 mortes e 29.787 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, num total de 157.946 óbitos e 5.439.641 infetados desde o início da pandemia.

As autoridades de Saúde brasileiras mantêm sob investigação 2.379 mortes, que poderão estar relacionadas com o novo coronavírus.

Geograficamente, São Paulo continua a ser o foco da pandemia no país, concentrando 1.098.207 pessoas diagnosticadas com a doença. Seguem-se os estados de Minas Gerais (351.033), Bahia (347.721), e Rio de Janeiro (304.904).

São Paulo (38.885), Rio de Janeiro (20.292), Ceará (9.305) e Minas Gerais (8.789) são, por sua vez, os estados com mais mortes no país sul-americano.

No total, 26 das 27 unidades federativas do Brasil já ultrapassaram os 50 mil casos cada uma, e 24 têm mais de mil vítimas mortais.

O Brasil, que é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, é também uma das nações com maior número de recuperações, com mais de 4,9 milhões de pacientes recuperados da covid-19.

No momento em que enfrenta uma grave crise económica motivada pela pandemia, o Brasil atravessa também uma forte polémica em torno da vacina contra o novo coronavírus e da sua eventual obrigatoriedade, questão politizada pelo Governo de Jair Bolsonaro.

Perante a polémica, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, afirmou hoje que o Poder Executivo e o Legislativo deveriam encontrar uma solução para a vacina, ao invés da decisão ser tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

"A questão da obrigatoriedade pode ser debatida. A questão da vacina deveria ser tomada pelo Legislativo e pelo Executivo. Seria melhor do que uma decisão tomada pelo STF", avaliou o deputado, em declarações à imprensa.

"Nós não devemos deixar um espaço aberto, esse vácuo, para que mais uma vez o Supremo decida e para que o Executivo e o Legislativo fiquem reclamando de algum ativismo do poder Judiciário", acrescentou Maia.

Na semana passada, o presidente do Supremo, magistrado Luiz Fux, afirmou ser necessário que a Justiça analise questões relacionadas com a vacinação contra a covid-19.

Jair Bolsonaro já defendeu várias vezes que não obrigará os cidadãos brasileiros a tomarem o imunizante contra o novo coronavírus.

"Não podemos injetar qualquer coisa nas pessoas e muito menos obrigar. Eu falei, inclusive, que ninguém vai ser obrigado a tomar vacina, e o mundo caiu na minha cabeça. A vacina é uma coisa que, no meu entender, você faz a campanha e busca uma solução. Você não pode amarrar o cidadão e dar a vacina nele. Eu acho que não pode ser assim", afirmou o Presidente no mês passado, dividimdo opiniões.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

MYMM // JLS

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

NASA envia nave para alterar trajeto de asteroide

A NASA, agência espacial norte-americana, vai enviar a sua nave DART numa missão para colidir com um asteróide, no primeiro teste de uma técnica que pode um dia ser necessária para desviar um objeto espacial que ameace colidir com a Terra.

Comissário da Economia insta novo governo italiano a cumprir acordo de Draghi

O comissário europeu de Economia, Paolo Gentiloni, instou esta segunda-feira o futuro Gobierno italiano a respeitar o plano de recuperação acordado entre as autoridades comunitárias e o Executivo de Mario Draghi.

Pelo menos 75 mortos na repressão das manifestações no Irão

Pelo menos 75 pessoas já foram mortas no Irão na repressão das manifestações iniciadas há dez dias pela morte de uma jovem mulher detida pela polícia da moralidade, indicou hoje a ONG anti-regime Iran Human Rights (IHR), sediada em Oslo.