Covid-19: África regista mais 132 mortes e 8.903 casos de infeção em 24 horas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Redação, 03 out 2020 (Lusa) -- África registou mais 132 mortes devido à covid-19 nas últimas 24 horas, subindo o número de óbitos para 36.504, num total de 1.497.391 infetados, segundo os últimos dados sobre a pandemia no continente.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), nas últimas 24 horas houve nos 55 Estados-membros da organização mais 8.903 casos da doença e 6.211 recuperados, para um total de 1.236.859.

Segundo o África CDC, a África Austral continua a registar o maior número de casos de infeção e de mortos, com mais 46 mortos nas últimas 24 horas, subindo para as 18.180 vítimas mortais, e o número total de infetados é agora de 742.347.

Só na África do Sul, o país mais afetado do continente, estão registados 677.833 casos e 16.909 mortes.

O norte de África, a segunda zona mais afetada pela pandemia, tem 346.183 pessoas infetadas e 11.257 mortos e, na África Ocidental, o número de infeções é de 177.802, com 2.629 vítimas mortais.

A região da África Oriental contabiliza agora 173.019 casos e regista 3.357 vítimas mortais e na África Central estão registados 58.040 casos e 1.081 óbitos.

O Egito, que é o segundo país africano com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, regista 5.956 mortos e 103.466 infetados, e Marrocos contabiliza 2.263 mortos e 128.565 casos.

A Argélia surge logo a seguir, com 51.690 casos de infeção registados e 2.045 vítimas mortais.

Entre os seis países com mais afetados estão também a Etiópia, com 76.988 casos e 1.208 vítimas mortais, e a Nigéria, com 59.127 infetados e 1.112 mortos.

Em relação aos países africanos de língua oficial portuguesa, Angola lidera em número de mortos e Moçambique em número de casos.

Angola regista 189 mortos e 5.211 casos, seguindo-se a Guiné Equatorial (83 mortos e 5.045 casos, números iguais ao registo anterior), Moçambique (64 mortos e 8.979 casos), Cabo Verde (62 mortos e 6.205 casos), Guiné-Bissau (39 mortos e 2.362 casos) e São Tomé e Príncipe (15 mortos e 911 casos).

O primeiro caso de covid-19 em África surgiu no Egito, em 14 de fevereiro, e a Nigéria foi o primeiro país da África subsaariana a registar casos de infeção, em 28 de fevereiro.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 34,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

AL // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

França rejeita a construção de gasoduto que liga Península Ibérica ao resto da Europa

França está contra as intenções mostradas pela Alemanha, Espanha, Portugal e a Comissão Europeia sobre a construção de um novo gasoduto com a Península Ibérica e mantém as suas fortes reticências à ideia de reavivar o projeto MidCat pelos Pireneus catalães, que se abandonou em 2019.

Depois da vaga de calor, chuvas torrenciais inundam ruas de Paris 

Após semanas de calor, a chuva caiu com grande intensidade em Paris durante 90 minutos. De acordo com os serviços meteorológicos, em hora e meia registou-se "70% da precipitação habitual para um mês". Várias ruas, avenidas e estações de metro ficaram inundadas e a circulação rodoviária foi interrompida em vários pontos da capital gaulesa. 

Guterres aponta estabilização de preços de alimentos e pede desmilitarização de Zaporijia

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, identificou esta quinta-feira sinais de estabilização dos mercados globais de alimentos e pediu, após uma reunião com os presidentes ucraniano e turco, a desmilitarização da central nuclear de Zaporijia, sob ocupação russa.