António Costa alerta que Portugal "não se pode atrasar no trabalho de casa" para plano de recuperação da Covid-19

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 01 de Out 2020 (Lusa) -- O primeiro-ministro, António Costa, alertou hoje, em Bruxelas, que Portugal "não se pode atrasar no trabalho de casa" relativamente ao plano de recuperação e resiliência da União Europeia (UE) criado para responder à crise da covid-19.

"Temos de fazer tudo o que está ao nosso alcance para estarmos preparados, não nos podemos atrasar no nosso trabalho de casa para que, assim que tudo esteja resolvido em Bruxelas, podermos avançar para a concretização do plano", disse o primeiro-ministro aos jornalistas portugueses, à saída de uma reunião com vários comissários europeus.

António Costa referia-se aos fundos da UE que Portugal deverá receber para fazer face às consequências económicas da pandemia causada pelo novo coronavírus SARS-Cov-2.

"É para isso que temos vindo a trabalhar com os parceiros sociais, com todos os partidos políticos, tendo em vista termos um bom plano para o podermos implementar assim que ele esteja disponível", realçou Costa, sublinhando que Portugal quer ser "o primeiro país a apresentar o 'draft' do plano de recuperação e resiliência".

Questionado sobre o eventual atraso dos fundos devido bloqueio das negociações entre o Parlamento Europeu (PE) e o Conselho Europeu, António Costa sublinhou: "cada dia que perdemos é um dia que compromete a recuperação da economia e dos empregos".

"Este acordo implica ouvir o PE e, sendo legítimas as divergências, o que ninguém compreenderia era se não fizéssemos o esforço para ultrapassar essas divergências e encontrar pontos de entendimento", acrescentou o primeiro-ministro.

O Parlamento Europeu, a quem cabe a palavra final na aprovação do Orçamento Europeu e do Fundo de Recuperação Europeu, tem sublinhado que "não irá aceitar cortes injustificados" no orçamento da União.

A vinculação do fundo comunitário europeu à manutenção do Estado de Direito também tem sido fonte de divisões entre o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu, tendo a chanceler alemã Angela Merkel referido que se aguardam "negociações difíceis" entre as duas instituições.

As declarações de António Costa, que está em Bruxelas para participar numa cimeira europeia extraordinária entre hoje e sexta-feira, foram feitas à saída de uma série de encontros bilaterais esta manhã com os comissários europeus Paolo Gentiloni (Economia), Elisa Ferreira (Coesão e Reformas) e Margrethe Vestager (Concorrência).

O primeiro-ministro esteve também reunido com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

TEYA/IG/ANE // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Passageiros nos aeroportos mais que quadruplicam no 2.º trimestre para 14,5 milhões

O número de passageiros nos aeroportos nacionais mais do que quadruplicou no segundo trimestre deste ano, crescendo 329,3% em relação ao período homólogo, para 14,5 milhões, indicou a ANAC -- Agência Nacional de Aviação Civil.

Risco de falta de água vai atingir 17% dos europeus até 2050

Cerca de 17% da população europeia está em grande risco de escassez de água até 2050, o que poderá afetar 13% do PIB da Europa, indica uma análise hoje divulgada pela organização “World Wide Fund for Nature” (WWF).

Alterações climáticas: Norte da Europa vive confortavelmente à custa da agricultura intensiva portuguesa

No norte da Europa consomem-se produtos hortofrutícolas à custa da agricultura intensiva praticada em Portugal, com recurso à exaustão de água e dos solos, em aparente contradição com o discurso de adaptação às alterações climáticas.