Info

Covid-19: Espanha regista mais de 10 mil infeções e 241 mortes num dia

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Madrid, 22 set 2020 (Lusa) -- Espanha registou hoje 10.799 novos casos de covid-19, mais de um terço deles em Madrid, elevando para 682.267 o número total de infetados até agora, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

Por outro lado, o país contabilizou mais 241 mortes com a doença nas últimas 24 horas, aumentando o total de óbitos para 30.904.

Madrid continua a ser a comunidade autónoma com o maior número de infeções, tendo registado mais 3.652 casos do que o número notificado na segunda-feira.

Deram entrada nos hospitais com a doença nas últimas 24 horas 949 pessoas, das quais 281 em Madrid, 114 na Catalunha, e 110 na Andaluzia.

Há em todo o país 10.629 pessoas hospitalizadas com a doença, das quais mais de um terço, 3.779, em Madrid, e 1.348 pacientes estão em unidades de cuidados intensivos.

A área metropolitana de Madrid é desde o início do corrente mês, assim como foi na primavera, o epicentro da pandemia em Espanha, um dos países europeus mais duramente atingidos pelo Covid-19.

O Ministro da Saúde espanhol, Salvador Illa, apelou hoje à população de Madrid para limitar os seus movimentos e contactos ao "essencial", a fim de travar a propagação da epidemia de Covid-19.

O presidente da câmara municipal, José Luis Martínez-Almeida, também recomendou hoje que a população de Madrid "saia o menos possível", tendo em conta a situação "preocupante" que a cidade vive devido à pandemia e instou os cidadãos a seguir as instruções das autoridades sanitárias.

Estas declarações foram feitas numa altura em que quase um milhão de pessoas na capital espanhola e arredores estão sujeitas a restrições rigorosas dos seus movimentos durante duas semanas desde a manhã de segunda-feira.

As mais de 850.000 pessoas atingidas (de um total de 6,6 milhões de habitantes na região) estão proibidas de sair da sua zona de residência, exceto por razões muito específicas: para ir trabalhar ou estudar, para visitar um médico, para responder a convocação jurídica ou para cuidar de pessoas dependentes.

Entretanto, o Governo socialista espanhol apresentou hoje um projeto de lei que impede as empresas de imporem o teletrabalho, que aumentou muito desde o início da pandemia, e terão de cobrir os custos relacionados com a atividade.

"Nem o trabalhador nem a empresa poderão impor o princípio do trabalho à distância", cuja recusa não pode ser utilizada como motivo de despedimento, disse a ministra do Trabalho, Yolanda Diaz, do partido de extrema-esquerda Unidas Podemos, parceiro minoritário do Governo liderado pelo Partido Socialista Operário Espanhol.

Estes direitos aplicar-se-ão aos empregados que trabalham em casa pelo menos 30% do tempo, ou seja, um dia e meio por semana, durante pelo menos três meses.

As empresas terão de pagar os custos de "equipamento, ferramentas e consumo ligados à realização da atividade" à distância, explicou o executivo num comunicado de imprensa.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 965.760 mortos e mais de 31,3 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

FPB // ANP

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Cientistas descobrem anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19

Uma equipa internacional de cientistas descobriu anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19, incluindo esta última variante Ómicron, um estudo que foi desenvolvido por cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA

Armadores europeus pedem à UE militares no golfo da Guiné para travar pirataria

Madrid, 18 jan 2022 (Lusa) -- A frota europeia de pesca em alto mar pediu ao alto representante da União Europeia para a Política Externa, Josep Borrell, o destacamento urgente de militares no golfo da Guiné para travar a pirataria na região.

Iémen: ONU alarmada com escalada do conflito e ataques a civis, Israel acusa Irão

Genebra, 18 jan 2022 (Lusa) -- O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) expressou hoje "preocupação" com a escalada do conflito no Iémen, após o bombardeamento da coligação árabe contra a capital Sanaa, que provocou pelo menos 12 mortes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.