Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Trump realiza comício em recinto fechado em violação das regras sanitárias

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Washington, 14 set 2020 (Lusa) - O Presidente dos Estados Unidos realizou no domingo um comício em recinto fechado, indignando as autoridades do estado do Nevada que advertiram para a possibilidade de violação das recomendações antiepidémicas.

A concentração, em Henderson, cidade do estado de Nevada (oeste), fez disparar as advertências das autoridades locais que lembraram à equipa do candidato republicano à Casa Branca Donald Trump que encontros com mais de 50 participantes não são autorizados devido ao novo coronavírus.

"A cidade de Henderson enviou uma carta formal e uma advertência verbal à organização do evento, na qual explicava que o evento, tal como programado, violava as diretivas de emergência relacionadas com a covid-19 do governador", declarou a porta-voz da cidade Kathleen Richards, em comunicado.

Trump aplaudiu, durante o comício em Henderson, nos arredores de Las Vegas, a sua própria gestão da pandemia, que causou já cerca de 195 mil mortos nos Estados Unidos, o número mais elevado do mundo.

"Fizemos um trabalho incrível, não obtivemos qualquer reconhecimento pelo trabalho que feito", disse Trump à multidão concentrada no local. Para o candidato republicano às presidenciais, a sua liderança "salvou milhões de vidas".

Na rede social Twitter, o governador do Estado, Steve Sisolak, escreveu: "esta noite, o Presidente Donald Trump realizou ações irrefletidas e egoístas, que põem incontáveis vidas em perigo, aqui no Nevada".

"Parece que o Presidente se esqueceu que o seu país está ainda, em pleno, no meio de uma pandemia mundial", sublinhou.

Donald Trump considerou Sisolak (democrata) de ser um "político amador" e pediu à multidão que peça ao "governador para abrir o estado".

A pandemia privou a campanha presidencial norte-americana dos comícios habituais, mas a menos de dois meses do escrutínio, Trump e o rival democrata Joe Biden aceleraram o ritmo das presenças públicas.

A equipa da campanha de Trump anunciou que iria medir a temperatura à entrada do encontro e que os participantes iam receber máscaras.

"Se é possível juntar-se a milhares de pessoas que se manifestam nas ruas, jogar num casino ou queimar pequenos comércios em distúrbios, é possível concentrar-se pacificamente, ao abrigo da 1.ª emenda, para ouvir o Presidente dos Estados Unidos", declarou aos jornalistas o diretor de comunicação da campanha de Donald Trump, Tim Murtaugh.

Em junho, Trump foi fortemente criticado por ter realizado em Tulsa, no estado de Oklahoma, um comício em recinto fechado, mais tarde suspeito de estar na origem de um surto de casos de covid-19.

A maioria dos participantes não respeitou o distanciamento social e recusou usar máscaras.

Os casos de covid-19 em Tulsa registaram um forte aumento nas semanas seguintes ao comício em Tulsa, e as autoridades sanitárias locais afirmaram ser "mais que provável" que grandes concentrações de pessoas tenham contribuído para a subida dos casos da doença causada pelo novo coronavírus.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 921.097 mortos e mais de 28,8 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

EJ // MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras