Covid-19: Índia com 1.114 mortos e 94.372 infeções nas últimas 24 horas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Nova Deli, 13 set 2020 (Lusa) - A Índia registou 1.114 mortes provocadas pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, além de mais 94.372 casos de covid-19, de acordo com um balanço independente da Universidade Johns Hopkins.

Desde o início da pandemia, o país contabilizou mais de 4,75 milhões de infeções por covid-19, que resultaram em 78.586 mortos.

A Índia é o segundo país do mundo com o maior número de casos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro com mais mortos, precedida por aquele país e o Brasil.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 916.372 mortos e mais de 28,5 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Em Portugal, morreram 1.860 pessoas dos 63.310 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

PTA // PTA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Johnson & Johnson suspende venda de pó de talco para bebés em todo o mundo em 2023

A Johnson & Johnson vai suspender em 2023 a venda do pó de talco para bebés em todo o mundo, após milhares de reclamações sobre a segurança do produto, suspenso já há dois anos nos Estados Unidos e Canadá.

Morreu o cartoonista francês Jean-Jacques Sempé, autor de "O Menino Nicolau"

O cartoonista francês Jean-Jacques Sempé, conhecido pelas suas ilustrações em "O Menino Nicolau" e pelos seus desenhos humorísticos nos jornais, morreu hoje aos 89 anos, confirmou a sua mulher, Martine Gossieaux Sempé, à agência de notícias AFP.

Julho foi dos meses mais quentes jamais registados no mundo

O mês passado foi um dos julhos mais quentes jamais registados no mundo, indicou, esta terça-feira, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Genebra.