Cerca de 42.000 alunos e 6.200 professores regressam às aulas a partir de hoje na Madeira

| País
Porto Canal com Lusa

Funchal, Madeira, 07 set 2020 (Lusa) - O ano letivo 2020/2021 na Região Autónoma da Madeira arranca com aulas presenciais em todos os ciclos entre hoje e 17 de setembro e envolve cerca de 6.200 professores e 42.000 alunos, menos 1.800 do que no ano passado.

"Vamos encerrar a escola de 2.º e 3.º ciclo de São Jorge [no concelho de Santana, norte da Madeira], porque não vamos ter alunos, pelo que há aqui uma sobra de professores, que será redistribuída na rede", disse à agência Lusa o secretário regional da Educação, Jorge Carvalho.

O governante indicou que há também a possibilidade de encerramento da escola do 1.º ciclo do Palheiro Ferreiro, no Funchal, que já se encontra fundida com a escola de São Gonçalo.

"Se há menos alunos, menos turmas, também há uma menor necessidade em termos de recursos humanos", disse Jorge Carvalho, sublinhando, no entanto, que o ano letivo se inicia com "praticamente todos os professores colocados" e que a "contratação é dinâmica".

O governante precisou que entre 07 e 11 de setembro começam a funcionar as creches, o pré-escolar e os 1.º, 2.º e 3.º ciclos e entre o dia 14 e o dia 17 de setembro arrancam as aulas do ensino secundário.

Dos 6.200 docentes que exercem a atividade no arquipélago nos setores público e privado, cerca de 95% tem vínculo permanente à Região Autónoma da Madeira.

Apesar das medidas de contenção da covid-19 adotadas pelas escolas, o secretário da Educação afirma que foram mantidos "todos os projetos" e "todas as dinâmicas" em curso nos 130 estabelecimentos da região e, por outro lado, admite que possam surgir situações que motivem o recurso à contratação de mais professores.

"Vários cenários serão acionados em função das circunstâncias e todo o trabalho que está a ser desenvolvido é no sentido de garantirmos o ensino presencial", disse.

Jorge Carvalho explicou que o recurso ao ensino à distância pode ocorrer se for detetado um caso positivo numa escola ou numa turma, destacando que a secretaria regional dispõe de condições para atuar, nomeadamente ao nível de equipamentos informáticos.

Por outro lado, os manuais digitais, introduzidos ao nível do 5.º ano em 2019/2020, vão agora ser estendidos ao 7.º ano em três concelhos da região - Calheta, Ribeira Brava (zona oeste) e São Vicente (zona norte) - na sequência de uma parceria com as câmaras municipais.

"A introdução de manuais digitais no ano 2019/2020 foi extremamente positiva, por parte da avaliação feita pelos encarregados de educação, pelos alunos, pelos professores e pelos estabelecimentos de ensino. Todas as escolas mantêm o projeto para o ano 2020/2021", disse Jorge Carvalho.

E reforçou: "A pandemia veio demonstrar que estes alunos [cerca de 2.200], que estavam já num contexto de ensino digitalizado, conseguiram manter uma proximidade e uma relação com os professores e com escola muito mais profícua."

A divisão do ano em dois semestres - um projeto-piloto que envolveu sete escolas do arquipélago em 2019/2020 - prossegue este ano envolvendo agora 13 estabelecimentos.

A Secretaria Regional da Educação dispõe de um orçamento de 400 milhões de euros, sendo 93% usado para pagar salários e financiar escolas, incluído as privadas, que recebem um apoio anual de cerca de 30 milhões de euros.

DC // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Desacatos em Guimarães: José Luís Carneiro diz que as autoridades desencadearam as diligências necessárias

Sobre os distúrbios provodados por adeptos do Hajduk Split e da claque No Name Boys, José Luís Carneiro, ministro da Administração Interna, não quis confirmar se a intenção era também provocar desacatos na Ribeira do Porto. Mas garante que as autoridades desencadearam as diligências necessárias neste caso.

Seis universidades portuguesas entre as mil melhores do mundo

Seis universidades portuguesas foram incluídas entre as mil melhores do mundo no Ranking de Xangai, hoje publicado, com Harvard a aparecer no topo da lista, dominada pelos Estados Unidos.

Greve de hoje na CP pode provocar atrasos e supressões de comboios

Trabalhadores do setor ferroviário cumprem hoje um dia de greve que poderá causar "perturbações nos serviços" da CP - Comboios de Portugal, segundo a empresa que aponta para a possibilidade de atrasos e supressões de comboios.