Covid-19: Brasil ultrapassa os 115 mil mortos após somar 565 óbitos em 24 horas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 24 ago 2020 (Lusa) - O Brasil registou 565 mortos devido à covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 115.309 o número total de óbitos desde o registo oficial da pandemia no país, em 26 de fevereiro, informou hoje o executivo.

Segundo o Governo, 223 das 565 mortes ocorreram nos últimos três dias, mas só foram englobadas nos dados de hoje, quando está a ser investigada a possível relação de 2.889 óbitos com a covid-19

Em relação aos infetados, o país sul-americano totaliza 3.622.861 casos confirmados, sendo que 17.078 destes foram contabilizados nas últimas 24 horas.

De acordo com o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde brasileiro, a taxa de letalidade da covid-19 no país mantém-se em 3,2%, no dia em que a incidência da doença é de 54,9 óbitos e de 1.724,0 casos por cada 100 mil habitantes.

O Governo brasileiro indicou ainda que 2.778.709 pessoas já recuperam da doença no país e 728.843 infetados continuam sob acompanhamento médico.

Geograficamente, São Paulo é o estado mais afetado pela pandemia no Brasil, com 756.480 infetados e 28.505 óbitos, sendo seguido pela Bahia, que concentra oficialmente 237.208 casos confirmados e 4.981 mortes, e pelo Rio de Janeiro, que totaliza 211.360 pacientes diagnosticados com o novo coronavírus e 15.392 vítimas mortais.

Face à pandemia que assola o Brasil, o segundo país do mundo mais afetado pelo novo coronavírus, o Governo de Jair Bolsonaro prorrogou hoje por mais dois meses um programa que permite a empresas suspenderem contratos aos trabalhadores ou reduzirem salários e período de trabalho, através da ajuda do executivo, que completa os pagamentos aos funcionários.

O programa foi criado devido à pandemia da covid-19 e teve a sua continuação hoje assegurada, permitindo que os acordos entre empregadores e funcionários possam ser celebrados por até 180 dias, limitados à duração do estado de calamidade pública (até 31 de dezembro).

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infetou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

MYMM // SR

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

França rejeita a construção de gasoduto que liga Península Ibérica ao resto da Europa

França está contra as intenções mostradas pela Alemanha, Espanha, Portugal e a Comissão Europeia sobre a construção de um novo gasoduto com a Península Ibérica e mantém as suas fortes reticências à ideia de reavivar o projeto MidCat pelos Pireneus catalães, que se abandonou em 2019.

Depois da vaga de calor, chuvas torrenciais inundam ruas de Paris 

Após semanas de calor, a chuva caiu com grande intensidade em Paris durante 90 minutos. De acordo com os serviços meteorológicos, em hora e meia registou-se "70% da precipitação habitual para um mês". Várias ruas, avenidas e estações de metro ficaram inundadas e a circulação rodoviária foi interrompida em vários pontos da capital gaulesa. 

Guterres aponta estabilização de preços de alimentos e pede desmilitarização de Zaporijia

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, identificou esta quinta-feira sinais de estabilização dos mercados globais de alimentos e pediu, após uma reunião com os presidentes ucraniano e turco, a desmilitarização da central nuclear de Zaporijia, sob ocupação russa.