Presumível autora do incêndio florestal na Peneda-Gerês detida pela Polícia Judiciária e vai aguardar julgamento em prisão domiciliária

Presumível autora do incêndio florestal na Peneda-Gerês detida pela Polícia Judiciária e vai aguardar julgamento em prisão domiciliária
| Norte
Porto Canal

Uma mulher com 57 anos foi detida pela Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, com a colaboração do Grupo de Trabalho do Norte de Redução das Ignições Florestais e da GNR, na manhã desta terça-feira, por estar indiciada pela prática de um crime de incêndio florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês que teve inícoo no dia 4 de agosto de 2020, apurou o Porto Canal junto das autoridades. A mulher vai aguardar julgamento em prisão domiciliária.

 A arguida, com 57 anos de idade, doméstica, reside na freguesia onde ateou o incêndio, tendo recorrido a um artefacto retardante da ignição. Foram recolhidos substanciais elementos de prova, que conduziram à detenção.

A detida irá ser presente à autoridade judiciária competente, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.