Covid-19: Aviação europeia manifesta "profundas preocupações" com restrições

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 31 jul 2020 (Lusa) -- Associações representativas das companhias aéreas europeias manifestaram hoje "profundas preocupações" pelas restrições aplicadas por alguns Estados-membros aos voos na União Europeia (UE) e no espaço Schengen, temendo os impactos na confiança dos passageiros e na retoma do tráfego.

"Enquanto associações comerciais representativas dos aeroportos e companhias aéreas europeias, escrevemos para expressar as nossas mais profundas preocupações sobre a reintrodução de restrições de viagem em partes da área que compreende a UE/Schengen e o Reino Unido", escrevem três das maiores associações representativas da aviação europeia numa carta hoje enviada aos chefes de Governo e ministros europeus dos Transportes, da Saúde e dos Assuntos Internos.

Na missiva -- assinada pela Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), a Companhias Aéreas para a Europa (A4E) e o Conselho Internacional de Aeroportos (ACI) e divulgada à imprensa em Bruxelas -- estas entidades lamentam que, após o levantamento em junho passado das restrições aos voos, tenham sido "reimpostas restrições de viagem" na UE e no espaço Schengen.

Isto porque, para estas três associações, "tais ações não são coerentes" com as orientações do Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças e da Organização Mundial de Saúde, que já vieram considerar que as limitações ao movimento "não representam uma forma eficiente de reduzir as transmissões".

"Observamos que estas restrições são de âmbito e conteúdo diferentes e foram também estabelecidas com base noutros critérios", situação que está a "prejudicar a confiança dos consumidores nas viagens aéreas", realçam a IATA, a AE4 e a ACI na carta.

Além disso, "implementadas no auge da época alta de verão para as indústrias do turismo e viagens, estas restrições estão a atrasar a recuperação do tráfego aéreo e o restabelecimento da conectividade aérea", além de "afetarem gravemente a economia europeia", acrescentam.

A IATA, a AE4 e a ACI pedem, assim, "esforços urgentes" aos Estados-membros para "coordenar eficazmente e alinhar respostas à evolução da situação epidemiológica a nível da UE e em estreita cooperação com o Reino Unido", ao mesmo tempo que se "reforça o princípio de medidas baseadas no risco e proporcionais", isto é, com "restrições de localização e não com proibições gerais por país", optando pela imposição de "quarentena como último recurso".

"Cada dia conta e isto não pode esperar pelo fim das férias de verão", sublinham.

Numa entrevista à agência Lusa divulgada no domingo, o comissário europeu da Justiça, Didier Reynders, garantiu que a Comissão Europeia vai monitorizar as restrições à livre circulação na UE devido à covid-19 para assegurar um "tratamento igual" entre os Estados-membros, admitindo que Portugal é dos mais afetados pelas 'listas vermelhas', com a imposição de obrigações como realização de teste ou de quarentena.

A posição de Didier Reynders, que tutela a salvaguarda dos direitos dos cidadãos europeus, é semelhante à da comissária europeia para os Assuntos Internos, Ylva Johansson, responsável pela livre circulação na UE e no espaço Schengen, que também numa entrevista à Lusa divulgada no sábado passado admitiu tensões entre os Estados-membros devido a estas restrições, exigindo a adoção de medidas "proporcionais".

ANE // EA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

NASA envia nave para alterar trajeto de asteroide

A NASA, agência espacial norte-americana, vai enviar a sua nave DART numa missão para colidir com um asteróide, no primeiro teste de uma técnica que pode um dia ser necessária para desviar um objeto espacial que ameace colidir com a Terra.

Comissário da Economia insta novo governo italiano a cumprir acordo de Draghi

O comissário europeu de Economia, Paolo Gentiloni, instou esta segunda-feira o futuro Gobierno italiano a respeitar o plano de recuperação acordado entre as autoridades comunitárias e o Executivo de Mario Draghi.

Pelo menos 75 mortos na repressão das manifestações no Irão

Pelo menos 75 pessoas já foram mortas no Irão na repressão das manifestações iniciadas há dez dias pela morte de uma jovem mulher detida pela polícia da moralidade, indicou hoje a ONG anti-regime Iran Human Rights (IHR), sediada em Oslo.