Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Passageiros que recusem teste na chegada à Madeira ficam em confinamento obrigatório

| País
Porto Canal com Lusa

Funchal, Madeira, 28 jul 2020 (lusa) - Os passageiros que viajem para a Madeira e se recusem a fazer teste de despistagem à covid-19 incorrem num crime de desobediência, podendo as autoridades de saúde determinar o confinamento obrigatório por 14 dias, anunciou hoje o Governo Regional.

"O viajante que se recuse a realizar o teste de despiste PCR ao SARS-Cov2 incorre no crime de desobediência e a autoridade de saúde pode, no âmbito das suas competências, determinar o confinamento obrigatório no período de tempo necessário a completarem-se 14 dias desde a sua chegada à região em estabelecimento hoteleiro para o efeito, sendo os custos de hospedagem imputados ao viajante", disse hoje o secretário regional da Saúde da Madeira, Pedro Ramos.

Numa conferência de imprensa em que foram anunciadas novas medidas a implementar na região no âmbito do combate à pandemia de covid-19, entre as quais o uso obrigatório de máscara em todos os espaços públicos, Pedro Ramos adiantou que ficam também obrigados ao confinamento, se necessário compulsivo, os doentes com covid-19 e outros cidadãos a quem a autoridade de saúde tenha determinado vigilância ativa.

 Esse período de confinamento obrigatório por um período de 14 dias poderá ser feito no respetivo domicílio, em estabelecimento de saúde ou em estabelecimento hoteleiro.

 

VAM/DC // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Covid-19: Idosos começam hoje a receber segundo reforço da vacina

Os idosos residentes em lares começam hoje a receber a segunda dose de reforço da vacina contra a covid-19, que estava prevista para o início do outono, mas que foi antecipada devido ao aumento de infeções no país.

Trabalhadores da CP em greve hoje por aumentos salariais

Os trabalhadores da Comboios de Portugal (CP) cumprem durante as próximas 24h uma greve a nível nacional onde pedem uma "atualização salarial" que tenha em conta o "escalar do custo de vida atual", explicou Sérgio Fernandes do Sindicato nacional dos trabalhadores do setor ferroviário. 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras