Info

Centro Hospitalar do Alto Ave envia médicos e equipamento para a Guiné-Bissau

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Guimarães, 07 abr (Lusa) - O Centro Hospitalar do Alto Ave (CHAA) anunciou hoje que vai enviar equipamento que já não usa e médicos para a Guiné-Bissau, contribuindo para a "melhoria da disponibilidade e qualidade" de cuidados de saúde naquele país.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o CHAA explica que as missões médicas, de curta duração e em regime de voluntariado, serão feitas ao abrigo de um protocolo entre o CHAA e o Instituto Marquês de Valle Flôr.

Com o objetivo de "apoiar a população da República da Guiné-Bissau a atingir os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, da Organização das Nações Unidas, na área da Saúde", nomeadamente no que concerne à área maternoinfantil, o CHAA vai enviar para a Guiné-Bissau profissionais de especializados de cirurgia geral, obstetrícia-ginecologia, anestesiologia e de enfermagem do bloco operatório, entre outros profissionais.

Ambas as entidades, lê-se no protocolo, "pretendem melhorar as condições de prestação de cuidados médicos especializados na Guiné-Bissau e a formação de médicos e técnicos guineenses" pelo que "a colaboração entre as duas entidades prevê, também, a realização de sessões de formação de recursos humanos guineenses e de campanhas de informação e educação para a saúde".

Além disso, o acordo assinado contempla ainda a "doação de equipamentos fora de uso no Centro Hospitalar e de consumíveis médico-cirúrgicos, sempre que possível e de acordo com as necessidades do projeto".

JYCR // JGJ

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Diretor Nacional da Polícia Judiciária garante morte de Luís Giovani não foi um crime racial

O Diretor Nacional da Polícia Judiciária garantiu, em conferência de imprensa na manhã desta sexta-feira, que a morte do jovem cabo-verdiano Luís Giovani não se tratou de um crime racial, mas de um homicídio violento que teve por base motivos fúteis.

Câmara de Lisboa compra imóveis ao Estado abaixo do valor de mercado e à autarquia do Porto exigem valor três vezes acima 

Há dois anos, a Câmara Municipal do Porto tentou comprar imóvel devoluto, o antigo lar da mendicidade nas Fontaínhas, mas o Estado pediu verba três vezes acima do valor de mercado. Contrariamente ao que aconteceu esta semana em que a Câmara de Lisboa adquiriu onze imóveis a preço abaixo do valor de mercado para arrendamento acessível, lesando o Estado em 3,5 milhões de euros, de acordo com o Tribunal de Contas.

Cinco suspeitos detios pela morte de jovem em Bragança

Foram detidos cinco homens, com idades entre os 22 e os 35 anos, suspeitos da morte do jovem estudante Luís Giovani Rodrigues, em Bragança, de acordo com comunicado da Polícia Judiciária enviado à redação do Porto Canal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.