Info

Liga dos Chineses acusa EUA de quererem travar China com difamações

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Porto, 01 jun 2020 (Lusa) - O presidente da Liga dos Chineses e responsável pela recém-criada Câmara do Comércio Portugal-China acusou hoje o presidente dos EUA de ser responsável por uma campanha para denegrir a China com o objetivo de travar o seu crescimento.

Em entrevista à Lusa, Y Ping Chow rejeita que a China esteja a aproveitar a crise pandémica para tirar proveitos políticos e defende que esta é uma teoria que apenas serve o Estados Unidos da América.

"Na minha ótica, embora muitos jornais e muitos políticos, digam que a China aproveitou [a pandemia de covid-19] para ganhar influência, esta é uma teoria lançada pelo dirigente dos Estados Unidos. Neste momento, os EUA, principalmente o senhor presidente [Donald Trump], qualquer coisa [que digam] é contra a China porque quer travar o desenvolvimento, a participação dos chineses", defendeu, acrescentando "é uma política deles".

Y Ping Chow considera, no entanto, que o apoio que a comunidade chinesa e o Governo daquele país tem dado à Europa e nomeadamente a Portugal, através da doação de equipamento médicos e outro material necessário ao combate à covid-19, prevalece sobre a teoria americana e tem contribuído para solidificar as boas relações entre Portugal e a China.

Ainda assim reconhece que, no contexto desta pandemia, houve quem tentasse associar o novo coronavírus à China, referindo-se à covid-19 como vírus chinês, mas, salienta foi uma minoria.

Aquele responsável não reconhece Portugal como um país xenófobo e encontra explicações para esta associação no discurso de alguns, nomeadamente no do presidente americano, Donald Trump.

"A América é um país que tem muita força, que tem muito poder e há muito seguidores", disse, criticando a atitude dos americanos do "eu, posso, quero e mando".

A China, sublinhou, não procura uma contrapartida, mas apenas criar e fortalecer relações e amizades.

Y Ping Chow não tem dúvidas que, tal como as empresas portuguesas, os empresários chineses terão quebras entre os 30% a 50% por causa da covid-19, mas acredita que surgirão novas oportunidades de negócio.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou perto de 400 mil mortos e infetou mais de 6 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,5 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.410 pessoas das 32.500 confirmadas como infetadas, e há 19.409 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num "grande confinamento" que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.

VSYM // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Variante Delta representa 90% de casos na UE até final de agosto e mais mortes

A variante Delta do SARS-CoV-2 representará 90% das novas infeções na Europa até final de agosto e um aumento nos internamentos e mortes, estimou hoje o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), pedindo rápida vacinação.

AstraZeneca admite que tratamento com anticorpos não provou eficácia

A farmacêutica AstraZeneca admitiu hoje um retrocesso no desenvolvimento de um tratamento com anticorpos para a covid-19, uma vez que não ficou provada a sua eficácia nos ensaios clínicos em pessoas que foram expostas ao vírus.

Covid-19: Bolsonaro pediu ao ex-ministro da Saúde uma investigação sobre vacina Covaxin

São Paulo, 24 jun 2021 (Lusa) - Senadores que apoiam o Presidente brasileiro e integram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19 disseram hoje que o governante pediu ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello que investigasse alegadas irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.