Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Liga dos Chineses acusa EUA de quererem travar China com difamações

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Porto, 01 jun 2020 (Lusa) - O presidente da Liga dos Chineses e responsável pela recém-criada Câmara do Comércio Portugal-China acusou hoje o presidente dos EUA de ser responsável por uma campanha para denegrir a China com o objetivo de travar o seu crescimento.

Em entrevista à Lusa, Y Ping Chow rejeita que a China esteja a aproveitar a crise pandémica para tirar proveitos políticos e defende que esta é uma teoria que apenas serve o Estados Unidos da América.

"Na minha ótica, embora muitos jornais e muitos políticos, digam que a China aproveitou [a pandemia de covid-19] para ganhar influência, esta é uma teoria lançada pelo dirigente dos Estados Unidos. Neste momento, os EUA, principalmente o senhor presidente [Donald Trump], qualquer coisa [que digam] é contra a China porque quer travar o desenvolvimento, a participação dos chineses", defendeu, acrescentando "é uma política deles".

Y Ping Chow considera, no entanto, que o apoio que a comunidade chinesa e o Governo daquele país tem dado à Europa e nomeadamente a Portugal, através da doação de equipamento médicos e outro material necessário ao combate à covid-19, prevalece sobre a teoria americana e tem contribuído para solidificar as boas relações entre Portugal e a China.

Ainda assim reconhece que, no contexto desta pandemia, houve quem tentasse associar o novo coronavírus à China, referindo-se à covid-19 como vírus chinês, mas, salienta foi uma minoria.

Aquele responsável não reconhece Portugal como um país xenófobo e encontra explicações para esta associação no discurso de alguns, nomeadamente no do presidente americano, Donald Trump.

"A América é um país que tem muita força, que tem muito poder e há muito seguidores", disse, criticando a atitude dos americanos do "eu, posso, quero e mando".

A China, sublinhou, não procura uma contrapartida, mas apenas criar e fortalecer relações e amizades.

Y Ping Chow não tem dúvidas que, tal como as empresas portuguesas, os empresários chineses terão quebras entre os 30% a 50% por causa da covid-19, mas acredita que surgirão novas oportunidades de negócio.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou perto de 400 mil mortos e infetou mais de 6 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,5 milhões de doentes foram considerados curados.

Em Portugal, morreram 1.410 pessoas das 32.500 confirmadas como infetadas, e há 19.409 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num "grande confinamento" que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.

VSYM // PJA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.