Info

Covid-19: Governo brasileiro aprova administração de cloroquina em casos leves

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 20 mai 2020 (Lusa) - O Ministério da Saúde brasileiro divulgou hoje um protocolo que autoriza a administração de cloroquina até para o tratamento de casos ligeiros de covid-19 no sistema público de saúde.

Até agora, o protocolo apenas previa o uso de cloroquina - um medicamento usado para tratar doenças como artrite, lúpus e malária e cujos efeitos em pacientes vítimas da covid-19 estão ainda a ser estudados em diversos países, incluindo no Brasil - em casos graves de infeção pelo novo coravírus.

Apesar de o Ministério da Saúde indicar que teve em conta "diversos estudos e a larga experiência do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento de outras doenças infecciosas e de doenças crónicas no âmbito do Sistema Único de Saúde", não há evidências científicas sobre a eficácia deste medicamento no tratamento da covid-19.

A mudança no protocolo era um desejo do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, defensor do uso desse fármaco, e de derivados, no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus, independentemente da gravidade do estado clínico dos pacientes.

Segundo o protocolo hoje divulgado pela pasta da Saúde do Brasil, fica a critério do médico a prescrição do medicamento, sendo necessária também a vontade declarada do paciente.

O termo de consentimento, que deve ser assinado pelo paciente, ressalta que "não existe garantia de resultados positivos" que "não há estudos demonstrando benefícios clínicos".

O documento indica ainda que o paciente deve ter conhecimento de que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem causar "efeitos colaterais" que podem levar à "disfunção grave de órgãos, ao prolongamento da internação, à incapacidade temporária ou permanente, e até ao óbito".

Na terça-feira, três das principais entidades médicas do Brasil desencorajaram o uso de cloroquina no tratamento de pacientes com covid-19, apesar de Bolsonaro ter ordenado o aumento da produção deste medicamento.

O veto ao uso de cloroquina em doentes com covid-19 foi declarado num comunicado conjunto da Associação de Medicina Intensiva Brasileira, da Sociedade Brasileira de Infetologia e da Sociedade Brasileira de Pneumologia.

Segundo um relatório elaborado por 27 especialistas destas entidades, as evidências sobre a eficácia da cloroquina e dos seus derivados no tratamento da covid-19 são "baixas" e o medicamento, por outro lado, tem efeitos colaterais graves, como arritmia cardíaca.

"As evidências disponíveis não sugerem um benefício clinicamente significativo do tratamento com hidroxicloroquina ou cloroquina. O mesmo se aplica ao uso da combinação de cloroquina com azitromicina", de acordo com o relatório científico divulgado.

Embora não haja evidências científicas sobre a eficácia deste medicamento, que está a ser testado em vários países para o tratamento do novo coronavírus, Bolsonaro ordenou ao Laboratório do Exército que aumentasse a produção desse fármaco para poder distribuí-lo por todo o país.

Na passada sexta-feira, o agora ex-ministro da Saúde Nelson Teich pediu a renúncia do Governo, menos de um mês após Luiz Henrique Mandetta ter sido exonerado do cargo ministerial, devido a divergências com Bolsonaro em relação às estratégias de combate à covid-19, nomeadamente na administração de cloroquina e na questão do isolamento social.

O Brasil totaliza 17.971 óbitos e 271.628 pessoas diagnosticadas com covid-19 desde o início da pandemia no país, informou o executivo na terça-feira.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 323 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

MYMM // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Cientistas descobrem anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19

Uma equipa internacional de cientistas descobriu anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19, incluindo esta última variante Ómicron, um estudo que foi desenvolvido por cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA

Pausa nas negociações para tomar "decisões políticas"

Viena, 28 jan 2022 (Lusa) -- As negociações em Viena para tentar salvar o acordo nuclear iraniano foram suspensas, anunciou hoje a delegação da União Europeia, apelando às diferentes partes para tomarem "decisões políticas".

Presidente argentino anuncia "acordo razoável" com FMI sobre a dívida do país

Buenos Aires, 28 jan 2022 (Lusa) -- O Presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou hoje um "acordo razoável" com o Fundo Monetário Internacional sobre a dívida do país sul-americano, que enfrentava este ano prazos de reembolso "insuportáveis", superiores a 19 mil milhões de dólares.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.