Info

Covid-19: "Há uma resposta europeia mais eficaz", mas ainda "não chega" -- Álvaro Santos Pereira

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 abr 2020 (Lusa) -- O economista Álvaro Santos Pereira diz que a resposta europeia à atual crise provocada pela covid-19 está a ser "muito mais eficaz" do que a anterior, mas que "não chega" e que sem mutualizar dívida os países terão problemas.

"Há uma resposta europeia muito mais eficaz do que na anterior crise financeira. A Europa já teve uma resposta importante através do Banco Central Europeu (BCE), da Comissão Europeia e do Eurogrupo. Mas, dito isto, é importante dizer que não chega. A Europa vai ter que aumentar a parada e vai ter que ajudar mais países a sair desta situação", diz o economista, atualmente na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), onde ocupa o lugar de diretor de estudos específicos por país do departamento de Economia.

O antigo ministro da Economia no governo liderado por Pedro Passos Coelho lembra, em entrevista à Lusa, que na anterior crise a resposta da Europa foi muito diferente, desde logo a do BCE, cuja primeira reação foi aumentar taxas de juro e cortar crédito à economia.

Agora é diferente, assegura o responsável da OCDE, lembrando que a primeira reação do BCE foi abrir a 'torneira' do crédito, acabando com os limites de compra de dívida.

"Só a resposta do BCE ajudou-nos a comprar bastante tempo. Ajudou-nos bastante e vai continuar a ajudar", sublinha o economista.

Álvaro Santos Pereira lembra ainda que já se pôs fim, temporariamente, ao teto de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) para o défice orçamental e que na questão dos auxílios de Estado se admitiu que os Estados podem capitalizar empresas em dificuldade.

"Agora fala-se muito na TAP, em 2011, 2012, também. A TAP estava muito endividada, tal como muitas outras empresas públicas, só que por questões de [regras sobre] auxílios de Estado, o Estado português não podia injetar dinheiro na TAP ou noutras empresas públicas. Não podia, mesmo que tivesse dinheiro através do programa de ajustamento", recorda o economista, adiantando que agora já se podem capitalizar as empresas, o que constitui "uma diferença abismal."

O terceiro aspeto positivo que o economista vê na resposta europeia foi o acordo alcançado pelos ministros das Finanças da União Europeia (UE) ao recomendarem que os Estados-membros possam recorrer às linhas de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) com a única condição de que esse dinheiro seja utilizado nas despesas de saúde decorrentes da crise causada pela covid-19.

"Foi uma porta que se abriu. E, quando se abre uma porta na Europa, isso quer dizer que foi um grande avanço", assegura Álvaro Santos Pereira.

O economista garante, contudo, que é preciso ir mais longe, até porque a crise económica provocada pela covid-19 não permite que todos os países consigam reagir da mesma forma.

"Exatamente devido à questão da dívida pública alguns têm mais margem para avançar com medidas do que outros", adverte o antigo ministro, lembrando que "o esforço financeiro que vai ser exigido, não só em relação à questão de saúde, como de recuperação da economia, especialmente no combate ao desemprego, vai ser de tal ordem que muitos governos, por si só, não terão meios para o fazer sem terem de se financiar."

E, neste cenário, a Europa terá de fazer mais do que já fez, esclarece Álvaro Santos Pereira, lembrando que uma hipótese é deixar cada país financiar-se por si.

Nessa hipótese, explica, a dívida pública em percentagem do PIB de cada Estado vai aumentar "inevitavelmente 15, 20, 30% do PIB", os 'spreads' da dívida de alguns desses países também vão aumentar "e voltamos às questões que já vimos alguns países enfrentar na anterior crise", de dificuldade de acesso aos mercados, afirma.

A outra hipótese é existir "um mecanismo em que a Europa pode ajudar a adiar esta questão", adianta o economista.

Neste cenário, Álvaro Santos Pereira aponta duas opções: "utilizar o MEE, reforçado, utilizado para a dívida que está a ser criada pela pandemia, sem mais condicionalidades, e podendo ser usado não só para financiar as despesas de saúde, mas também para financiar a recuperação económica e especialmente o combate ao desemprego".

A outra possibilidade seriam os chamados 'coronabonds', que não seria mais do que "a Europa mutualizar os custos orçamentais desta dívida que será criada", explica o antigo ministro.

Um caminho que Álvaro Santos Pereira reconhece ser "muito difícil de fazer" porque há países que "não querem essa via", mas que o economista acredita não ser impossível, uma vez que "está a ser debatido" e "há países importantes dentro da UE que o defendem."

"Com a opção do MEE sem condicionalidade, provavelmente, será mais fácil chegar a um acordo", admite o economista, concluindo que uma outra possibilidade seria "uma combinação dos dois."

O "Grande Confinamento", na sequência da covid-19, levou o Fundo Monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.

Para Portugal, o FMI prevê uma recessão de 8% e uma taxa de desemprego de 13,9% em 2020.

VC // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: País

Mais 677 infeções, cinco mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 677 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, cinco mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos.

Estudo revela que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19

Um estudo realizado durante um ano, por um grupo de investigadores do Instituto de Investigação do Medicamento, da Faculdade de Fármacia da Universidade de Lisboa, revelou que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19.

Marta Temido: "Há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19"

A Ministra da Saúde, Marta Temido, avisa que "há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19" e alerta que "a máscara não é para deitar fora".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS