Covid-19: Ilha de Jersey comunica em português para proteger comunidade

| País
Porto Canal com Lusa

Londres, 13 abr 2020 (Lusa) - A Ilha de Jersey, onde cerca de 20% da população é portuguesa, tem estado a dar conselhos e a comunicar com a população em português no âmbito do plano para evitar a propagação da pandemia covid-19.

Mensagens, folhetos, cartazes e inquéritos estão ser feitos em português e polaco, idioma das principais comunidades imigrantes, com informações sobre o regime de confinamento e medidas de distanciamento social. 

"A comunidade portuguesa tem estado a cumprir e alguns restaurantes já se adaptaram, começando a vender para fora", afirmou à agência Lusa o enfermeiro português, Duarte Vieira.

Recrutado no âmbito de uma campanha das autoridades para empregar profissionais de saúde bilingues e aproximar-se das principais comunidades imigrantes, Duarte Vieira mudou-se para Jersey em 2012 com a mulher, também enfermeira, e diz ter sido o primeiro de 30 médicos e enfermeiros portugueses atualmente na ilha. 

O balanço mais recente, feito pelo Governo de Jersey no domingo ao final do dia, deu conta de 213 pessoas infetadas, mais cinco do que na sexta-feira, e três mortes no total, um número que não muda há mais de uma semana, desde 04 de abril. 

"De forma geral, a pandemia está a evoluir da mesma forma que no Reino Unido. Estamos umas 2-3 semanas atrasados. Estima-se que pico será atingido em meados de maio", indicou Vieira. 

O português acredita que o controlo da taxa de contágio na ilha situada no Canal da Mancha foi travado pelo regime de confinamento imposto a 30 de março, e que a maioria das pessoas está a respeitar, adiantou. 

Uma semana depois do encerramento das escolas, a 23 de março, o governo decretou uma ordem para a maioria da população ficar em casa, limitando a apenas duas horas diárias o tempo que podem sair, seja para fazer compras ou fazer exercício. 

O incumprimento destas regras já resultou em multas de 300 a 500 libras (343 a 572 euros), de acordo com comunicados da polícia local. 

Para mitigar o impacto, o governo de Jersey introduziu apoios financeiros para as empresas e para os trabalhadores, garantindo o pagamento de 80% do salário até 2000 libras (2.300 euros). 

Para os trabalhadores imigrantes há menos de seis meses, inelegíveis para o sistema de segurança social, existe um subsídio mínimo de manutenção de 70 libras (80 euros) por semana, com a condição de estarem disponíveis para fazer voluntariado em setores com necessidade.

Na semana passada, anunciou o investimento de 14,4 milhões de libras (16,5 milhões de euros) para construir um hospital de campanha com capacidade para 180 camas num parque nos arredores da capital St. Helier e o reforço da capacidade de testes de diagnóstico, que eram feitos no Reino Unido. 

Em vez de dois dias, os resultados são obtidos em poucas horas, reduzindo a necessidade de os pacientes com sintomas aguardarem em isolamento para começar a receber tratamento. 

Na ilha de Jersey desde 2012, Duarte Vieira, natural de Santa Cruz, na Madeira, garante que a maioria das pessoas "está a respeitar as medidas" e que as autoridades têm feito o esforço de emitir mensagens, folhetos e cartazes em português e polaco, idioma das principais comunidades imigrantes. 

Vieira adianta que, atualmente, 20% dos 110 mil habitantes são portugueses, "90% dos quais da Madeira", e que trabalham sobretudo nas áreas da construção civil, turismo e jardinagem.

Estatisticamente, o último recenseamento, realizado em 2011, indicava que cerca de 7.000 portugueses representavam 7% da população de cerca de 98 mil habitantes e os polacos 3%, mas o consulado honorário de Portugal em St. Helier estima que residam em Jersey 15 e 20 mil portugueses. 

Jersey faz parte das Ilhas do Canal, territórios dependentes da Coroa Britânica, sujeitos à soberania da rainha Isabel II, mas que não fazem parte do Reino Unido e têm autonomia executiva, legislativa e fiscal.

Do arquipélago faz também Guernsey, que combina várias pequenas ilhas e possui uma população de cerca de 33.000 pessoas, das quais 1.300 são de origem portuguesa.

 

BM // PJA

Lusa/fim

+ notícias: País

Ministério Público anuncia inquérito à compra de aviões pela TAP

O Ministério Público abriu um inquérito à aquisição dos aviões pela TAP, no seguimento de uma auditoria solicitada pelo Governo. A notícia é avançada pelo jornal Observador.

Está decidido. Alunos vão ter que fazer três exames no fim do secundário

O desentendimento entre os ministérios da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Educação chegou ao fim. Na tarde desta segunda-feira, em conferência de imprensa, o ministro da Educação, João Costa, abandonou a ideia de acabar com os exames nacionais no 12º ano.

Governo apoia famílias afetadas pelas cheias em dezembro e janeiro

O Governo declarou as cheias de dezembro e janeiro como ocorrência natural excecional, facultando às famílias afetadas apoios para despesas com danos e isenção/diferimento do pagamento de contribuições para a segurança social, segundo diploma publicado esta segunda-feira.