Covid-19: Ministra garante resposta no SNS para cirurgias "prioritárias e muito prioritárias"

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 05 abr 2020 (Lusa) -- A ministra da Saúde garantiu hoje que as cirurgias "prioritárias e muito prioritárias", nomeadamente as oncológicas, continuam a ter resposta no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e que os vales cirúrgicos emitidos para o setor privado "não foram suspensos".

Na conferência de imprensa realizada diariamente na Direção-Geral da Saúde, Marta Temido foi questionada sobre relatos de adiamento de cirurgias urgentes, nomeadamente na área da oncologia, e relembrou o despacho que fez a 16 de março sobre a remarcação de cirurgias, mas apenas para casos não urgentes, devido à pandemia da covid-19.

"Em 16 de março foi determinado que as intervenções cirúrgicas que não fossem consideradas clinicamente urgentes e muito urgentes poderiam ser, em função da avaliação da instituição, da direção clínica, e naturalmente da decisão clínica para cada doente, remarcadas e adiadas para uma data posterior", disse a ministra.

Marta Temido afirmou que esta orientação procurou "precaver que a capacidade de resposta do SNS ficaria preservada para os casos mais urgentes", continuando a ter resposta no SNS as situações de doentes "prioritários e muitos prioritários".

"É muito importante referir que os vales cirúrgicos emitidos para o setor privado, para setor convencionado, não foram suspensos. Aquilo que é a resposta que o setor com o qual o SNS se articula está preservada, desde que essas instituições permaneçam a funcionar na medida em que são tendencialmente instituições menos afetados pela covid-19", frisou.

Marta Temido acrescentou que esta situação é idêntica para os meios complementares de diagnósticos e de terapêutica.

"No mesmo despacho também é dada uma orientação para que os meios complementares de diagnóstico e de terapêutica, que não correspondem a situações urgentes, possam ser remarcados", disse, frisando que abrange as situações de eventual rastreio.

Segundo a ministra, a fragilidade e a pressão que está neste momento no sistema de saúde pode constituir uma oportunidade de risco que se quer de toda a forma evitar.

"Naturalmente que as situações que clinicamente e, por isso contamos com o juízo institucional das direções clínicas e de serviço e, em última instância do próprio médico assistência, forem consideradas como situações que tem de ter seguimento são seguida, designadamente aquilo que é a atividade da área oncológica que seja considerada prioritária e muito prioritária", disse.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela DGS, registaram-se 295 mortes, mais 29 do que na véspera (+11%), e 11.278 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 754 em relação a sexta-feira (+7,2%).

Dos infetados, 1.084 estão internados, 267 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 75 doentes que já recuperaram.

CMP // LIL

Lusa/fim

+ notícias: País

Incêndio na Serra da Estrela deixa mancha negra de luto. Habitantes estão preocupados com o futuro

Ao fim de 12 dias, o incêndio na Serra da Estrela deixou uma mancha negra de luto, tapando o verde que outrora sobressaía. Ao Porto Canal, os habitantes mostraram-se preocupados com o futuro, visto que o principal alimento dos animais foi consumido pelo incêndio.

Casal de emigrantes vê negócio na Serra da Estrela alterado pelas chamas

Um casal de emigrantes, que estava na França há mais de 50 anos, decidiu investir em turismo rural na Serra da Estrela. No entanto, ao longo destes últimos dias viram o seu negócio ser alterado pelas chamas.

Registo de galinhas poedeiras obrigatório em setembro

Os criadores de galinhas poedeiras estão obrigados a registar os seus animais em setembro, com exceção dos estabelecimentos com menos de 350 aves, indicou hoje a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).