Info

Covid-19: Ministra garante resposta no SNS para cirurgias "prioritárias e muito prioritárias"

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 05 abr 2020 (Lusa) -- A ministra da Saúde garantiu hoje que as cirurgias "prioritárias e muito prioritárias", nomeadamente as oncológicas, continuam a ter resposta no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e que os vales cirúrgicos emitidos para o setor privado "não foram suspensos".

Na conferência de imprensa realizada diariamente na Direção-Geral da Saúde, Marta Temido foi questionada sobre relatos de adiamento de cirurgias urgentes, nomeadamente na área da oncologia, e relembrou o despacho que fez a 16 de março sobre a remarcação de cirurgias, mas apenas para casos não urgentes, devido à pandemia da covid-19.

"Em 16 de março foi determinado que as intervenções cirúrgicas que não fossem consideradas clinicamente urgentes e muito urgentes poderiam ser, em função da avaliação da instituição, da direção clínica, e naturalmente da decisão clínica para cada doente, remarcadas e adiadas para uma data posterior", disse a ministra.

Marta Temido afirmou que esta orientação procurou "precaver que a capacidade de resposta do SNS ficaria preservada para os casos mais urgentes", continuando a ter resposta no SNS as situações de doentes "prioritários e muitos prioritários".

"É muito importante referir que os vales cirúrgicos emitidos para o setor privado, para setor convencionado, não foram suspensos. Aquilo que é a resposta que o setor com o qual o SNS se articula está preservada, desde que essas instituições permaneçam a funcionar na medida em que são tendencialmente instituições menos afetados pela covid-19", frisou.

Marta Temido acrescentou que esta situação é idêntica para os meios complementares de diagnósticos e de terapêutica.

"No mesmo despacho também é dada uma orientação para que os meios complementares de diagnóstico e de terapêutica, que não correspondem a situações urgentes, possam ser remarcados", disse, frisando que abrange as situações de eventual rastreio.

Segundo a ministra, a fragilidade e a pressão que está neste momento no sistema de saúde pode constituir uma oportunidade de risco que se quer de toda a forma evitar.

"Naturalmente que as situações que clinicamente e, por isso contamos com o juízo institucional das direções clínicas e de serviço e, em última instância do próprio médico assistência, forem consideradas como situações que tem de ter seguimento são seguida, designadamente aquilo que é a atividade da área oncológica que seja considerada prioritária e muito prioritária", disse.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela DGS, registaram-se 295 mortes, mais 29 do que na véspera (+11%), e 11.278 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 754 em relação a sexta-feira (+7,2%).

Dos infetados, 1.084 estão internados, 267 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 75 doentes que já recuperaram.

CMP // LIL

Lusa/fim

+ notícias: País

Miocardite por infeção é 60 vezes mais frequente do que após vacina contra a Covid-19

A miocardite por infeção com SARS-CoV-2 é 60 vezes mais frequente do que após a vacinação e pode ter sintomas mais graves e complicações e sequelas a curto prazo, refere um parecer técnico hoje divulgado.

Denúncias de cibercrimes duplicaram em 2021

As denúncias de cibercrimes duplicaram no ano passado, chegando às 1.160, mais do dobro do ano anterior, segundo os números divulgados pelo Gabinete de Cibercrime da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS