Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Lançada na Guiné-Bissau campanha de angariação de alimentos para ajudar carenciados

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bissau, 03 abr 2020 (Lusa) - Um grupo de cidadãos guineenses lançou uma iniciativa para angariar alimentos para distribuir à população mais carenciada de quatro bairros de Bissau, disse hoje à Lusa, uma das coordenadoras do projeto, Melissiana Rodrigues.

Segundo Melissiana Rodrigues, a iniciativa, lançada por 20 pessoas, mas que tem sido abraçada todos os dias, visa ajudar a que a população mais carenciada "não passe fome, durante os dias em que é obrigada a ter que ficar em casa".

Para evitar a propagação do novo coronavírus, que já infetou nove pessoas na Guiné-Bissau, as autoridades no poder decretaram o estado de emergência, ordenando, entre outras medidas, que a população fique em casa.

"Uma pessoa que não tem o que comer, de certeza, que não poderá ficar em casa, vai ter de sair à procura do que comer", observou Melissiana Rodrigues, salientando que a situação se torna mais difícil para aquelas pessoas "mais carenciadas".

A responsável pela "Campanha de Angariação de Bens Alimentícios - Tadja Fomi" (Evitemos a fome) assinalou que as medidas anunciadas pelas autoridades para evitar a propagação da covid-19 na Guiné-Bissau, devem ser respeitadas, mas notou que grande parte da população só consegue o sustento na atividade diária.

Melissiana Rodrigues pede às pessoas que doem arroz (base da dieta alimentar no país), massa, óleo, enlatados e quem quiser pode entregar dinheiro que será revertido em bens alimentares, disse.

Na diáspora, há um responsável em Portugal que vai receber as doações.

Em três dias de recolha de bens alimentares, Melissiana Rodrigues até ficou surpreendida pela resposta, dada a quantidade de produtos que a comissão já recebeu e que agora vão ser distribuídos para os "mais carenciados de quatro bairros de Bissau".

A comissão conta com um trabalho de mapeamento dos "mais carenciados" já feito pelas ONG que atuam nos bairros de Bissau, para proceder à distribuição das ajudas, mas assim que tiver mais apoios alargará a entregas a outros locais da capital guineense e se possível ao interior do país.

O número de mortes em África subiu para mais de 240 num universo de mais de 6.400 casos confirmados em 49 países, de acordo com as estatísticas sobre a doença naquele continente.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 51 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 190.000 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

MB // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras