Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: UE lança inquérito para saber impacto da pandemia no setor cultural

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 25 mar 2020 (Lusa) -- A União Europeia lançou hoje um inquérito 'online', através do programa Europa Criativa, para avaliar o impacto da pandemia da doença Covid-19 nos setores cultural e criativo.

A partir das respostas a este inquérito, o Europa Criativa quer perceber que impacto terá a pandemia ao longo das próximas semanas em toda a atividade cultural e das indústrias criativas, para poder "promover recomendações para políticas públicas", de âmbito europeu.

"Feiras, festivais e concertos cancelados, clubes e teatro fechados: as indústrias culturais e criativas já estão a ser economicamente afetadas pela propagação do novo coronavírus", lê-se na página do Europa Criativa.

Para a União Europeia, a paralisação generalizada do setor "afetará a longo prazo" todos os intervenientes, de pequena e grande escala, e "com efeitos económicos e sociais incompreensíveis".

No curto inquérito, disponível em www.ecbnetwork.eu, a União Europeia pergunta, por exemplo, estimativas de perdas até ao final do ano, dimensão da entidade cultural ou em que área artística são geradas as vendas.

O Europa Criativa é o programa da União Europeia para apoiar o setor cultural e criativo, contando com três subprogramas para Media, Cultura e Media Mundus.

Este ano termina o plano financeiro 2014-2020 do programa Europa Criativa, com um orçamento de 1,4 mil milhões de euros.

O próximo programa, de 2021-2017, tem um orçamento de 1,8 mil milhões de euros.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 430 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com mais de 226.000 infetados, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.820 mortos em 69.176 casos registados até terça-feira.

A Espanha é o segundo país com maior número de mortes, registando 3.434, entre 47.610 casos de infeção.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera (+30,3%), e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira (+26,8%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

O Governo declarou no dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

 

SS // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.