Covid-19: Câmara de Lisboa acelera plano de investimentos no valor de 620ME

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 25 mar 2020 (Lusa) - A Câmara de Lisboa vai acelerar a concretização do plano de investimentos para este ano e seguintes, no valor de cerca de 620 milhões de euros, anunciou hoje o presidente da autarquia.

Esta verba corresponde aos concursos que estão neste momento ainda em execução pela câmara e pelas empresas municipais, aos concursos que serão lançados ainda no primeiro semestre deste ano e também os previstos para o segundo semestre, explicou Fernando Medina (PS).

"Esta é uma forma de reforçar o serviço publico, mas é também uma forma de apoiar o emprego e preservar a capacidade produtiva numa altura em que a cidade mais necessita", afirmou Medina, que falava à imprensa por videoconferência para apresentar as medidas da autarquia para apoiar as famílias e as atividades económicas da cidade face à pandemia da covid-19.

O investimento de 620 milhões de euros divide-se "por um conjunto vasto de áreas", desde a construção de centros de saúde, unidades de cuidados continuados, creches, escolas, habitação, infraestrutura verde, espaço público, sistema de saneamento, mobilidade e turismo, indicou Medina.

A Câmara vai também "manter em pleno funcionamento o licenciamento urbanístico por teletrabalho", a ser realizado por "mais de 400 trabalhadores".

TYS // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Passageiros nos aeroportos mais que quadruplicam no 2.º trimestre para 14,5 milhões

O número de passageiros nos aeroportos nacionais mais do que quadruplicou no segundo trimestre deste ano, crescendo 329,3% em relação ao período homólogo, para 14,5 milhões, indicou a ANAC -- Agência Nacional de Aviação Civil.

Risco de falta de água vai atingir 17% dos europeus até 2050

Cerca de 17% da população europeia está em grande risco de escassez de água até 2050, o que poderá afetar 13% do PIB da Europa, indica uma análise hoje divulgada pela organização “World Wide Fund for Nature” (WWF).

Alterações climáticas: Norte da Europa vive confortavelmente à custa da agricultura intensiva portuguesa

No norte da Europa consomem-se produtos hortofrutícolas à custa da agricultura intensiva praticada em Portugal, com recurso à exaustão de água e dos solos, em aparente contradição com o discurso de adaptação às alterações climáticas.