Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: PM timorense ordena redução expressiva de funcionários no local de trabalho

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Díli, 25 mar 2020 (Lusa) -- O primeiro-ministro timorense instruiu hoje os membros do Governo a procederem a uma redução "expressiva" da presença de funcionários públicos nos locais de trabalho, como medida preventiva da covid-19.

A resolução hoje aprovada em Conselho de Ministros segue instruções já dadas anteriormente e abrange todos os Ministérios e demais órgãos da administração direta e indireta do Estado.

Caberá a essas estruturas identificar "os recursos humanos estritamente necessários a assegurar o funcionamento, em regime de serviços mínimos, dos serviços públicos que superiormente dirijam".

Os serviços mínimos são "aqueles cuja prestação seja fundamental para assegurar o funcionamento da Administração Pública e a prestação de bens e serviços aos cidadãos e às empresas que tenham natureza urgente ou inadiável", refere um comunicado do executivo.

Quem ficar dispensado da comparência nos serviços terá que permanecer contactável por telefone e apresentar-se "sempre que para o efeito sejam convocados pelo respetivo superior hierárquico".

Deverá ser ainda implementado um sistema para que, sempre que possível, continuem a trabalhar "em regime não presencial e por intermédio das novas tecnologias de comunicação e informação".

Finalmente o Governo recomenda aos funcionários cuja presença é dispensada que "adotem comportamentos de isolamento social, de forma a evitar a propagação da covid-19", contribuindo assim para os esforços de contenção do número de infeções.

Timor-Leste tem até agora um caso confirmado de covid-19, tendo sido realizados testes, com resultado negativo, a dez outras pessoas, segundo a informação divulgada hoje pelo Ministério da Saúde.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 400 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 18.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.820 mortos em 69.176 casos.

Os países mais afetados a seguir à Itália e à China são a Espanha, com 2.696 mortos em 39.673 infeções, o Irão, com 1.934 mortes num total de 24.811 casos, a França, com 1.100 mortes (22.300 casos), e os Estados Unidos, com cerca de 600 mortes (mais de 50.000 casos).

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento ou restrições nas fronteiras.

 

ASP//MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras