Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Número de infetados sobe para 91 na Venezuela

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Caracas, 25 mar 2020 (Lusa) -- O Presidente da Venezuela anunciou hoje que foram registados sete novos casos de coronavírus no país, nas últimas 24 horas, o que eleva para 91 o número de doentes com a covid-19.

"Hoje chegámos aos 91 casos. Felizmente, ainda não há mortos", disse Nicolás Maduro à televisão estatal venezuelana.

O chefe de Estado venezuelano indicou que três dos novos casos foram registados no estado venezuelano de Lara, um em Caracas, um em Los Roques, um em Miranda e um em Guárico.

Maduro insistiu que estão "a ser radicalizadas" as medidas de quarenta social preventiva, com mais restrições à circulação de pessoas, no Distrito Capital e nos vizinhos estados de Miranda e La Guaira, que concentram 62 casos registados.

Quinze pessoas estão já recuperadas da doença.

Por outro lado, o Presidente venezuelano acrescentou que 1.200 pessoas estão a ser submetidas a exames médicos de despistagem por terem apresentado sintomatologia idêntica à da covid-19.

"Estamos a passar da quarentena defensiva para a ofensiva. Estamos a sair à busca dos casos (...) não é fácil, estamos a lutar contra um inimigo invisível", frisou.

Segundo Nicolás Maduro, os casos confirmados de coronavírus no país dividem-se em "importados e comunitários".

O chefe de Estado reiterou a necessidade de os Estados Unidos devem levantar as sanções económicas impostas contra o país, por impedirem a aquisição de materiais necessários para combater a pandemia no país.

"Devem levantar as sanções, pelo menos durante esta época de pandemia. Exigir que levantem as sanções deve ser um clamor nacional", frisou.

O governante apelou à população para "manter a quarentena e ter paciência até superar esta adversidade" e às Forças Armadas para que "protejam e sirvam o povo".

A Venezuela está desde 13 de março em "estado de alerta", o que permite ao executivo decretar "decisões drásticas" para combater a pandemia.

O "estado de alerta" foi decretado por 30 dias, que podem ser prolongados por igual período.

Os voos nacionais e internacionais estão restringidos no país.

Desde 16 de março que os venezuelanos estão em quarentena, estando impedidos de circular livremente entre os vários estados do país. Clínicas e hospitais estão abertos, enquanto farmácias, supermercados, padarias e restaurantes estão a funcionar em horário reduzido, com estes últimos a vender apenas comida para fora.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 400 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 18.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.820 mortos em 69.176 casos.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

FPG // EJ

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras