Covid-19: Dois números de atendimento telefónico para rastrear sintomas no Porto

Covid-19: Dois números de atendimento telefónico para rastrear sintomas no Porto
| Norte
Porto Canal com Lusa

Os utentes dos centros de saúde do Porto podem rastrear sintomas da covid-19 através de números de telefone destinados aos dois agrupamentos daquelas unidades de saúde da cidade, revelou hoje a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N).


Para "responder à pandemia", foi criado um gabinete de "médicos de medicina geral e familiar" com autoridade para avaliar os sintomas de covid-19 e autorizar o rastreio, sem necessidade de recurso à linha geral e nacional Saúde 24, explicou fonte oficial da ARS-N.

"Nesta fase", o atendimento é apenas dirigido aos utentes inscritos nos centros de saúde do Porto Oriental (através do número 220 411 191) e Porto Ocidental (220 411 192), que tenham "febre, tosse ou falta de ar".

Os utentes foram avisados por mensagens de telemóvel e, de acordo com a ARS-N, será "possível, no futuro, estender a oferta a outros agrupamentos de centros de saúde, [de outros concelhos] se as circunstâncias o justificarem".

"Não se trata de uma complementaridade à linha Saúde 24. Não encaminha para a Saúde 24. É uma triagem independente", referiu ainda a ARS-N.

O agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Porto Ocidental abrange, de acordo com a sua página da Internet, as Unidades de Saúde Familiar de Aldoar, Aníbal Cunha, Bom Porto, Carvalhido, Cedofeita, Garcia de Orta, Lordelo do Ouro, Prelada, Ramalde e Serpa Pinto, entre outros.

O ACES do Porto Oriental inclui as unidades de saúde de Campanhã, Paranhos, Azevedo Campanhã, São Roque, Vale Formoso, Covelo, Faria Guimarães, Lindo Vale e Santos Pousada, por exemplo.

Em Portugal, há 30 mortes, mais sete do que na véspera, e 2.362 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista mais 302 casos do que na segunda-feira.

Dos infetados, 203 estão internados, 48 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 22 doentes que já recuperaram.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 02 de abril.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 386 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 17.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.077 mortos em 63.927 casos. Segundo as autoridades italianas, 7.024 dos infetados já estão curados.

A China, sem contar com os territórios de Hong Kong e Macau, onde a epidemia surgiu no final de dezembro, conta com mais de 81.000 casos, tendo sido registados 3.277 mortes.

Os países mais afetados a seguir à Itália e à China são a Espanha, com 2.696 mortos em 39.673 infeções, o Irão, com 1.934 mortes num total de 24.811 casos, a França, com 860 mortes (19.856 casos), e os Estados Unidos, com 499 mortes (41.511 casos).

+ notícias: Norte

Abastecimento de água no Porto com constrangimentos na noite de sábado para domingo

O abastecimento de água em algumas zonas da cidade do Porto vão sofrer constrangimentos entre as 21h00 de sábado (13 de agosto) e as 12h00 do dia seguinte (14 de agosto). A situação decorre de uma intervenção numa conduta principal das obras de expansão da linha rosa do Metro do Porto, na Avenida dos Aliados. Nesse período, poderão ocorrer falhas do fornecimento.

Autoridades proibem banhos em praias de Matosinhos. Veja aqui quais e porquê

As praias de Matosinhos em que os banhos tinham sido desaconselhados pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) na terça-feira, após um incêndio numa fábrica de tintas, foram hoje interditadas, indicou à Lusa o capitão do porto do Douro.

Trotinetes elétricas circulam pelo Porto em zonas proibidas pelo regulamento

As trotinetes elétricas, cuja presença no Porto aumentou nas últimas semanas, circulam em zonas pedonais como Cedofeita, Ribeira ou Santa Catarina, apesar de o regulamento municipal o impedir, constatou a Lusa nestes locais do centro histórico.