Covid-19: Presidentes do Brasil e da China reafirmam "amizade" após crise diplomática

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Pequim, 24 mar 2020 (Lusa) - O Presidente do Brasil e o homólogo chinês reafirmaram hoje os "laços de amizade" entre os dois países, após uma disputa entre o filho de Jair Bolsonaro e o embaixador da China em Brasília, divulgou a embaixada chinesa.

Bolsonaro e Xi Jinping abordaram por telefone informações e medidas de combate à pandemia do novo coronavírus, que começou na China, e já fez 34 mortos e infetou 1.900 pessoas no Brasil, detalhou o Presidente brasileiro, através da sua conta oficial no Twitter.

Os líderes discutiram ainda como deverão "expandir" os laços comerciais entre os dois países, apontou o governante.

Junto com a mensagem, Bolsonaro publicou uma foto com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina Correa, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Ernesto Araújo, que acompanharam a conversa.

O chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência, o almirante Flavio Rocha, também esteve presente, segundo a imprensa brasileira.

Nenhuma das partes detalhou se houve um pedido de desculpas.

Ernesto Araújo considerou na sexta-feira passada "inaceitável que o embaixador da China endosse ou compartilhe mensagens ofensivas ao chefe de Estado brasileiro e aos seus eleitores", depois de o diplomata ter reproduzido uma mensagem ofensiva para Jair Bolsonaro.

O embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, reproduziu na sua conta oficial no Twitter uma mensagem de um internauta que acusa a família Bolsonaro de ser o "grande veneno" do Brasil e de não representar o país.

Bolsonaro "precisa responder pela quantidade de coisas absurdas que aquela boca podre tem capacidade de regurgitar", lê-se na mensagem, difundida por um internauta e partilhada pelo embaixador chinês.

Na quinta-feira, a embaixada chinesa em Brasília tinha já afirmado que Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, "contraiu um vírus mental", ao culpar a "ditadura chinesa" pela pandemia do novo coronavírus, designada covid-19.

A China é o maior parceiro comercial do Brasil. Em 2019, as trocas comerciais entre os dois países ascenderam a 114.680 milhões de dólares (106.471 milhões de euros), um aumento de 3,49%, face ao ano anterior, sendo que a China exportou bens no valor de 35.476 milhões de dólares (32.936 milhões de euros), uma subida de 5,18%, e importou produtos cujo valor atingiu 79.203 milhões de dólares (73.513 milhões de euros), mais 2,76%.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 386 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram cerca de 17.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 6.077 mortos em 63.927 casos. Segundo as autoridades italianas, 7.024 dos infetados já estão curados.

JPI // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Passaporte português entre os mais poderosos em 2023. Veja a lista

A Henley & Partners divulgou a lista dos passaportes mais poderosos em 2023. Após analisar informação exclusiva da IATA, a consultora de investimento britânica divulgou o índice anual, de acordo com o número de destinos a que o cidadão de cada país pode aceder sem necessitar da emissão prévio de um visto.

Rússia anuncia troca de 63 prisioneiros com mediação dos EAU

O Ministério da Defesa da Rússia anunciou este sábado a troca de 63 prisioneiros de guerra russos, pela segunda vez este ano, graças aos esforços de mediação dos Emirados Árabes Unidos, sem informar quantos militares ucranianos foram enviados para Kyiv.

Testagem a passageiros oriundos da China mantém-se até final de fevereiro

O Governo prorrogou até final de fevereiro as medidas de controlo da covid-19 aplicadas aos voos provenientes da China, que incluem a testagem aleatória de passageiros à chegada e a obrigatoriedade de um teste negativo no embarque.