Covid-19: Governo Regional da Madeira admite Orçamento Rectificativo

| Política
Porto Canal com Lusa

Funchal, Madeira, 18 mar 2020 (Lusa) - O vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, admitiu hoje a apresentação de um Orçamento Retificativo devido ao abrandamento da economia regional por causa do surto de Covid-19.

"Todas estas medidas que estão a ser tomadas a nível europeu e nacional, com impacto fortíssimo na nossa economia, poderá obrigar a um retificativo", reconheceu.

O governante falava aos jornalistas no final de um encontro com representantes das instituições bancárias sedeadas na Madeira.

Pedro Calado reconheceu que, "neste momento, uma das grandes formas de ajudar os empresários é adiar os compromissos fiscais", mas alertou que "esse adiar é um benefício para os empresários, mas é uma grande dor de cabeça para o Governo".

O Governo Regional estima que o impacto das consequências económicas do Covid-19 na Madeira sejam superiores a mil milhões de euros.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou, até à data, mais de 194 mil pessoas, das quais mais de 7.800 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 81 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 150 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Depois da China, a Europa tornou-se o epicentro da pandemia.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que os contabilizados na terça-feira.

Portugal contabiliza duas mortes de pessoas infetadas e três casos recuperados.

O primeiro caso positivo de Covid-19 na Madeira foi detetado na noite de segunda-feira (16 de março) numa cidadã holandesa que entrou no território no dia 12 de março e se encontrava hospedada num hotel no Funchal.

EC // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Estado contrata empresa "em falência técnica" para decisão sobre novo aeroporto

O Estado português contratou serviços de consultoria para a escolha da localização do novo aeroporto de Lisboa a uma empresa que está em falência técnica, desde 2019. A confirmação é dada ao Porto Canal por um economista que analisou as contas da Asa Aviation Consulting e surge depois de os contratos celebrados com o Instituto da Mobilidade e Transportes (IMT) terem levantado dúvidas na Assembleia da República.

Rangel diz que caso de Sérgio Figueiredo é mais um "tique de absolutismo" do PS. Bloco de Esquerda e PCP dão o tema por encerrado

O vice-presidente do PSD lamenta o silêncio do ministro das Finanças enquanto evoluía a polémica à volta da contratação de Sérgio figueiredo para o seu ministério. Paulo Rangel denuncia ainda o facto de o contrato permanecer secreto e chama a este caso o primeiro-ministro António Costa. Já Bloco de Esquerda e PCP dão o caso por encerrado, ao contrário do Chega que ainda espera explicações do gioverno. 

PSD diz que incêndios "são problema político" a que Governo não dá "resposta à altura"

O PSD considerou esta quarta-feira que os incêndios são "um problema político" ao qual António Costa e o PS "não sabem, não estão a dar, uma resposta à altura" e acusou o Governo de ser "especialista em desresponsabilizar-se".