Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Coreia do Sul regista 93 casos, mais 11 do que na véspera

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Seul, 18 mar 2020 (Lusa) - A Coreia do Sul registou hoje 93 casos do novo coronavírus, mais 11 do que na véspera, quando a preocupação se volta para novos focos da doença nos arredores da capital, onde vive metade do país.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças sul-coreano, o país conta 8.413 infetados, dos quais 6.789 estão ativos, 1.540 tiveram alta e 84 morreram.

Dos 93 casos identificados nas últimas 24 horas, a maioria, 55, foram detetados na cidade de Daegu, a cerca de 230 quilómetros a sudeste de Seul, e na vizinha província de Gyeongsang do Norte, indicou.

Este foco no sudeste do país está ligado à seita cristã Shincheonji e concentra 87% de todas as infeções na Coreia do Sul.

Apesar do ligeiro aumento dos casos, a Coreia do Sul, que chegou a ser o segundo lugar do mundo mais afetado pelo novo coronavírus e que não limitou forçosamente os movimentos dos cidadãos, nem fechou fronteiras, diminuiu muito os novos contágios nas últimas duas semanas.

As autoridades estão agora preocupadas com o número crescente de casos registados nos arredores da capital, onde residem cerca de 26 milhões de pessoas, ou mais de metade da população sul-coreana, e onde foram identificados 579 contágios desde que começou a epidemia.

Nesta mesma zona foram registados na terça-feira 21 contágios, incluindo cinco em Seul e um em Incheon.

A maioria dos novos casos nesta área foi contado na província de Gyeonggi, com 15 infeções, aparentemente relacionados com uma igreja protestante da cidade de Seongnam (980 mil habitantes), onde já foram detetadas pelo menos 54 doentes.

Também na Coreia do Sul estão a ser identificados casos importados. Nos últimos dias, as autoridades registaram 60 infetados e na terça-feira foram detetados cinco em diferentes aeroportos.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 189 mil pessoas, das quais mais de 7.800 morreram.

Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 81 mil recuperaram da doença.

A China registou nas últimas 24 horas 11 mortos e 13 novos casos infeção pela Covid-19, mas só um é de Wuhan, todos os outros 12 são importados.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 146 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

No total, desde o início do surto, em dezembro passado, as autoridades da China continental, que exclui Macau e Hong Kong, contabilizaram 80.894 infeções diagnosticadas, incluindo 69.601 casos que já recuperaram, enquanto o total de mortos se fixou nos 3.237.

Os países mais afetados depois da China são a Itália, com 2.503 mortes para 31.506 casos, o Irão, com 988 mortes (16.169 casos), a Espanha, com 491 mortes (11.178 casos) e a França com 148 mortes (6.633 casos).

Face ao avanço da pandemia, vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

EJ // SB

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras