Info

Covid-19: MAI diz que encerramento de fronteiras ainda não se justifica

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 mar 2020 (Lusa) -- O ministro da Administração Interna disse hoje que, neste momento, não se justifica o encerramento das fronteiras portuguesas, nem o fecho da rede de transportes públicos, como o metro, devido ao novo coronavírus.

"Exceto aos cruzeiros e aos voos provenientes de Itália, neste momento, não temos nenhuma justificação que fundamente o encerramento total de fronteiras", afirmou Eduardo Cabrita numa conferência de imprensa em Lisboa sobre a situação de alerta declarada hoje.

O ministro explicou o que distingue a atual situação de contingência de outras já conhecidas em Portugal, como inundações, incêndios florestal ou as medidas tomadas a propósito do abastecimento de combustíveis no ano passado.

"Não há aqui qualquer possibilidade de determinar previamente em que parte do território nacional e durante quanto tempo se verificaram circunstâncias mais complexas", afirmou, sublinhando que há um conjunto de níveis de medida prevista.

Segundo Eduardo Cabrita, a Lei de Base de Proteção Civil prevê vários níveis de intervenção, designadamente o estado de alerta, estado de contingência e estado de calamidade.

O governante sustentou que foi considerado que "a situação de alerta é adequada ao quadro que se enfrenta e que dá todos os meios".

Questionado sobre os transportes públicos, referiu que está a ser adequado a criação de mecanismo que garantem a sua desinfeção com maior periodicidade e o aconselhamento a todos os cidadãos que tenham aqui também as práticas de proteção individual e de comportamentos de segurança adequadas.

"Por isso, não se coloca neste momento a possibilidade de cessação do funcionamento da rede de transportes públicos, designadamente o metro", sublinhou.

Em Portugal, os últimos números da Direção-geral de Saúde apontam para 112 doentes, não havendo até ao momento registo de nenhuma morte.

CMP // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Bloco de Esquerda diz que um "país que oferece rendas mais altas que os salários é um país sem futuro"

O Bloco de Esquerda, acompanhado pela Coordenadora Catarina Martins, esteve durante a manhã desta terça-feira na feira de Vila do Prado, em Vila Verde e, em declarações à comunicação social debateu muito os problemas que existem nos preços à habitação em Portugal, explicando que "um país que oferece rendas mais altas que os salários, é um país sem futuro".

PAN defende que "António Costa deveria estar pensar em rotas mais ecológicas para a TAP" 

À margem da entrevista que António Costa, Secretário-geral do PS, deu ao Porto Canal na passada segunda-feira, o PAN, representado pela porta-voz Inês Sousa Real, disse na manhã desta terça-feira, em campanha eleitoral pelo Porto, que "António Costa deveria estar a pensar em rotas mais ecológicas para a TAP" de modo a garantir "a sustentabilidade dos postos de trabalho".

Catarina Martins quer clareza do PS sobre "contrato à Esquerda"

Catarina Martins, Coordenadora do Bloco de Esquerda, disse na passada segunda-feira, em dia de campanha eleitoral, que quer clareza do PS sobre "contrato à Esquerda" que beneficie "a saúde e o trabalho em Portugal", explica a Coordenadora do BE em declarações feitas à margem de um encontro com o setor da Cultura no Coliseu do Porto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS