Covid-19: Epidemia já matou mais de 4.900 pessoas e infetou 133.970

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Paris, 13 mar 2020 (Lusa) -- O número de pessoas infetadas desde dezembro pelo novo coronavírus no mundo aumentou para 133.970 e o número de mortes subiu para 4.958, segundo um balanço feito pela agência noticiosa France-Presse (AFP).

Citando fontes oficiais, a AFP refere, num balanço com dados atualizados às 09:00 de hoje, que, no total, foram registadas em 120 países e territórios 2.513 contaminações e 35 novas mortes desde o último balanço, às 17:00 de quarta-feira.

A China (sem os territórios de Hong Kong e Macau), onde a pandemia eclodiu no final de dezembro, contabilizou um total de 80.813 casos, incluindo 3.176 mortes e 64.111 curados. Entre as 17:00 de quinta-feira e as 09:00 de hoje foram anunciadas 20 novas infeções e e sete novas mortes no país.

Em outras partes do mundo, houve até às 09:00 GMT, um total de 1.782 mortes (28 novas) para 53.163 casos (2.493 novos).

Os países mais afetados depois da China são Itália, com 1.016 mortes para 15.113 casos, Irão com 429 mortes (10.075 casos), Espanha com 84 mortes (3.004 casos) e Coreia do Sul com 67 mortes (7.979 casos).

Desde quinta-feira às 17:00, a Índia e a Noruega anunciaram as primeiras mortes relacionadas com o vírus. Gana, Quénia e São Vicente e Granadinas (Caraíbas) anunciaram o diagnóstico dos primeiros casos.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.900 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 131 mil pessoas, com casos registados em mais de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados.

Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 15.000 infetados e pelo menos 1.016 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizou quinta-feira o número de infetados, que registou o maior aumento num dia (19), ao passar de 59 para 78, dos quais 69 estão internados.

A região Norte continua a ser a que regista o maior número de casos confirmados (44), seguida da Grande Lisboa (23) e das regiões Centro e do Algarve, ambas com cinco casos confirmados da doença.

As escolas de todos os graus de ensino vão suspender todas as atividades letivas presenciais a partir de segunda-feira, devido ao surto Covid-19, anunciou quinta-feira o primeiro-ministro, António Costa, numa declaração ao país.

Várias universidades e outras escolas já tinham decidido suspender as atividades letivas.

O governo decidiu também declarar o estado de alerta em todo o país, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

DD // SB

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

França rejeita a construção de gasoduto que liga Península Ibérica ao resto da Europa

França está contra as intenções mostradas pela Alemanha, Espanha, Portugal e a Comissão Europeia sobre a construção de um novo gasoduto com a Península Ibérica e mantém as suas fortes reticências à ideia de reavivar o projeto MidCat pelos Pireneus catalães, que se abandonou em 2019.

Depois da vaga de calor, chuvas torrenciais inundam ruas de Paris 

Após semanas de calor, a chuva caiu com grande intensidade em Paris durante 90 minutos. De acordo com os serviços meteorológicos, em hora e meia registou-se "70% da precipitação habitual para um mês". Várias ruas, avenidas e estações de metro ficaram inundadas e a circulação rodoviária foi interrompida em vários pontos da capital gaulesa. 

Guterres aponta estabilização de preços de alimentos e pede desmilitarização de Zaporijia

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, identificou esta quinta-feira sinais de estabilização dos mercados globais de alimentos e pediu, após uma reunião com os presidentes ucraniano e turco, a desmilitarização da central nuclear de Zaporijia, sob ocupação russa.