Info

Covid-19: Feira do Livro de Madrid adiada para outubro

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Madrid, 12 mar 2020 (Lusa) -- A Feira do Livro de Madrid, prevista realizar-se entre os dias 29 de maio e 14 de junho, foi adiada para outubro, como forma de "prevenir e conter" a epidemia Covid-19, informou hoje a organização do evento.

A nova data para a realização do evento literário foi fixada no período de 2 a 18 de outubro.

O diretor da Feira do Livro de Madrid, Manuel Gil, reconheceu, em declarações à EFE, que tomar esta decisão foi doloroso mas necessário, por uma questão de responsabilidade e prudência.

"Visitam-nos milhões de pessoas em cada edição da feira, temos grandes aglomerações e, por responsabilidade, era necessário tomar a decisão", assinalou.

Manuel Gil indicou que, por esse motivo, a organização colocou-se perante o "pior dos cenários", relativamente à duração das medidas de contenção do vírus, e decidiu adiá-la até outubro.

No entanto, indicou que se trata de um adiamento e que se manterão as mesmas atividades previstas inicialmente.

Esta decisão foi tomada numa reunião urgente composta por editores, distribuidores e livreiros que estudaram "várias datas possíveis" para decidir finalmente que se realizaria em outubro, "atendendo à responsabilidade e prudência que um evento com a envergadura da Feira do Livro exige, tanto para expositores como para visitantes".

Quanto à Feira do Livro de Lisboa, que este ano cumpre a 90.ª edição, a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros anunciou que iria decorrer entre os dias 28 de maio e 14 de junho, no Parque Eduardo VII, e mantém as datas no seu 'site'.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.600 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 125 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 78 casos confirmados.

Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 12.000 infetados e pelo menos 827 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

Espanha é o terceiro país da Europa com mais casos de infeção, contabilizando pelo menos 2.140 infetados e um total de 47 mortes confirmadas.

AL // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Cientistas descobrem anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19

Uma equipa internacional de cientistas descobriu anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19, incluindo esta última variante Ómicron, um estudo que foi desenvolvido por cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA

Alta-Comissária da ONU para os Direitos Humanos pede "libertação imediata" do PR do Burkina Faso

Genebra, 25 jan 2022 (Lusa) - A Alta-Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apelou hoje à "libertação imediata" do Presidente do Burkina Faso, Roch Marc Christian Kaboré, deposto por um golpe militar este fim de semana.

Polícia britânica está a investigar "festas" durante pandemia em Downing Street

Londres, 25 jan 2022 (Lusa) - A polícia britânica anunciou hoje que está a investigar as presumíveis festas organizadas em Downing Street durante os períodos de confinamento impostos no âmbito da pandemia, situação que está a colocar sob forte pressão o primeiro-ministro Boris Johnson.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS