Info

Fisco dá mais um dia para validar faturas a deduzir no IRS

Fisco dá mais um dia para validar faturas a deduzir no IRS
| Economia
Porto Canal com lusa.pt

O Governo alargou por mais um dia, até ao final de hoje, a validação de faturas dedutíveis no IRS, decisão justificada por "constrangimentos temporários" no acesso ao portal de confirmação de faturas, segundo um aviso no Portal das Finanças.

"O acesso ao efatura para confirmação de faturas continua disponível durante o dia 26 de fevereiro de 2020" (hoje), informam as Finanças, esclarecendo ter verificado "constrangimentos temporários no acesso ao efatura para confirmação de faturas, entre as 18:00 e as 24:00 do dia 25 de fevereiro de 2020, que podem ter condicionado alguns contribuintes na validação das suas faturas".

A Autoridade Tributária (AT) informa assim que o sistema de validação de despesas do ano passado, dedutíveis no Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS), continua disponível até ao final do dia de hoje.

Nessa nota, a AT especifica que só durante a terça-feira foram validadas "mais de 33 milhões de faturas e que, especificamente no intervalo horário em que se verificaram aqueles constrangimentos, os contribuintes validaram ainda assim mais de 2,2 milhões de fatura por hora.

Termina assim, no final do dia de hoje, a possibilidade de validação de despesas do ano passado, assim como o registo daquelas faturas que não foram comunicadas ao Fisco pelo agente económico que as emitiu.

A entrega de declaração anual do IRS tem lugar a partir do primeiro dia de abril e termina em 30 de junho.

+ notícias: Economia

Conselho das Finanças Públicas "muito preocupado" com impacto de despesas como a TAP

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral, alertou no sábado que o impacto de despesas como a do processo da TAP pode comprometer necessidades nas áreas da saúde e da segurança social.

"O plano de revitalização (da Efacec) deve manter os postos de trabalho"

Luísa Salgueiro, Presidente da Câmara Muncipal de Matosinhos, afirma que o "plano de revitalização (da Efacec) deve manter os postos de trabalho" e que o "sucesso próximo não depende incontornavelmente de uma solução exclusiva de capital público".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.