Info

Parecer ambiental a quebra-mar de Leixões recomenda estudo sobre desporto de ondas

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 24 jan 2020 (Lusa) -- A realização de um estudo sobre o "valor económico do desporto de ondas em Matosinhos e no Grande Porto" é uma das recomendações do "parecer favorável condicionado" da comissão de Avaliação ambiental ao prolongamento do quebra-mar de Leixões.

A informação, a que a Lusa teve hoje acesso, consta do parecer de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) da obra que a Administração dos Portos do Douro e Leixões (APDL) prevê adjudicar em fevereiro, rejeitando a necessidade de "estudos complementares" devido ao "parecer favorável" da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Na AIA, de 2018, a comissão de avaliação propõe "parecer favorável condicionado ao cumprimento dos termos e condições" detalhados em 23 páginas, ao longo das quais se refere a criação de um grupo de trabalho e "a promoção de um estudo sobre os desportos de ondas" que inclua análise "sobre as oportunidades de desenvolvimento económico que podem potenciar na diversificação da oferta turística na região".

O parecer favorável condicional é justificado com "os impactes muito positivos" do projeto de "prolongamento do quebra-mar exterior em cerca de 300 metros", e o facto de os impactes negativos serem "suscetíveis de minimização".

"Globalmente, considera-se que os impactes positivos decorrentes da execução do projeto se sobrepõem aos impactes negativos", conclui a comissão de avaliação.

Esta entidade é composta por representantes da APA, do Centro de Ecologia Aplicada do Instituto Superior de Agronomia, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, da Direção-Geral do Património Cultural, da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos e do Laboratório Nacional de Energia e Geologia.

Para a comissão, "a obra permitirá melhorar as condições de segurança e a navegabilidade no acesso ao porto de Leixões", um investimento que, "associado ao projeto de execução das Acessibilidades Marítimas e do novo terminal de contentores, irá provocar um muito significativo impacte macroeconómico na região Norte".

Isto, "considerando a estimativa de dois mil milhões de euros por ano no aumento da produção provocado direta e indiretamente".

Entre os "impactos negativos" do projeto consideram-se "muito significativos" o "aumento relevante de dias por ano em que a altura significativa das ondas não ultrapassa os 0,5 metros".

A isto, soma-se "a eventual afetação da linha de rebentação, mais próxima da costa ou mesmo eliminada, especialmente para situações de preia-mar".

"Esta situação afetará não só os praticantes de desportos de ondas, mas também as escolas dedicadas ao ensino, bem como as restantes atividades económicas relacionadas direta e indiretamente com a prática destes desportos" nas praias de Matosinhos e Internacional, refere o documento.

A comissão recomenda, por isso, a realização de "um estudo que esclareça a eventual procura, por parte dos utilizadores das praias, de outras atividades passíveis de praticar com baixa agitação marítima cujos resultados positivos permitiram diversificar a área de negócio das escolas existentes nas praias afetadas".

A comissão refere ainda que "a nova configuração do quebra-mar aumentará a exposição do setor sul da praia de Matosinhos/Internacional à agitação marítima".

Esta "nova configuração promoverá uma acumulação progressiva de sedimentos para norte que tenderá a saturar no encontro com o molhe sul do porto".

"Atendendo à proximidade com a praia de Matosinhos e à possibilidade de afetação da qualidade da água [...], considera-se pertinente que se desenvolva um plano de monitorização da qualidade da água, que abranja parâmetros microbiológicos e físico-químicos", sugere ainda a comissão.

A APDL disse na quinta-feira à Lusa que a obra deve ser adjudicada em fevereiro e que o projeto "obteve por parte da APA [Agência Portuguesa do Ambiente] parecer favorável, não sendo necessários estudos complementares".

A resposta da APDL surgiu a propósito de questões da Lusa sobre a indicação, dada em junho de 2019 pelo presidente da APA, de que iam ser feitos, em parceria com o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), estudos complementares para medir o impacto da obra, contestada por autarcas e associações desde que foi lançado o concurso, em fevereiro.

ACG // MSP

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Homem morre ao cair de telhado em Vila Nova de Gaia

Um homem morreu na sequência de uma queda de um telhado, neste sábado, no largo do Bôdo, em Serzedo, Vila Nova de Gaia, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.