Info

Espetáculo "CA_Minho" une Comédias do Minho e Teatro Meridional em Lisboa

| País
Porto Canal com Lusa

Porto, 24 jan 2020 (Lusa) -- Os espetáculos "CA_Minho", coprodução das Comédias do Minho (CdM) com o Teatro Meridional, e "Numa Didascália", de Álvaro Laborinho Lúcio, encenado por Tânia Guerreiro, são destaques da programação anual da companhia minhota, a apresentar no sábado em Lisboa.

"Vamos apresentar a programação anual em Lisboa para celebrar o encontro feliz entre as Comédias [do Minho] e o [Teatro] Meridional, que trabalharam em coprodução no espetáculo 'CA_Minho'" e que vai estar em exibição no Teatro Meridional, em Lisboa, até 02 de fevereiro", declarou à Lusa Magda Henriques, diretora de As Comédias do Minho (CdM).

O espetáculo "CA_Minho" "faz parte do projeto 'Províncias', fundado em 2003", e um dos principais objetivos é "olhar para as diferentes regiões" do país, acrescentou Magda Henriques, referindo que o "CA_Minho" vai ser apresentado no sábado, no Teatro Meridional, pelas 21:30, ficando em cartaz naquele espaço até 02 de fevereiro.

A apresentação do programa de 2020 das CdM está marcada para acontecer neste próximo sábado, na Sala do Teatro Meridional, em Lisboa, onde está também prevista uma mesa redonda com a participação de Maria de Assis, da Fundação Calouste Gulbenkian, e Luís Sousa Ferreira, do 23 Milhas, projeto cultural de Ílhavo, contando, na moderação, com Miguel Abreu, do Festival Todos, da capital.

A associação cultural CdM - Associação para a Promoção de Atividades Culturais no Vale do Minho, fundada em 2003, envolve os municípios de Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção, Melgaço e Paredes de Coura, e tem três eixos fundamentais, que são uma companhia de teatro profissional, um projeto pedagógico e um projeto comunitário.

Para 2020, a organização destaca também o espetáculo "Numa Didascália", com textos do jurista e escritor Álvaro Laborinho Lúcio, ex-ministro da Justiça, e encenação da atriz Tânia Guerreiro.

O espetáculo vai estar em exibição a partir de outubro, no município de Monção, e, ao longo do último trimestre do ano, será exibido nos restantes quatro concelhos, adiantou à Lusa Magda Henriques.

No primeiro semestre deste ano, e no âmbito do eixo companhia de teatro, a CdM realça também o espetáculo "ECO -- Reverberações no Vale do Minho", com o Teatro do Frio.

O projeto "A pensar morreu um burro", de Rita Pedro, professora de Filosofia (que soma mais de duas décadas como dinamizadora de espetáculos e de ateliers com crianças e professores), e da bailarina Beatriz Marques Dias, é um espetáculo e oficina que vai estar em exibição nos cinco concelhos até maio próximo, e que faz parte da programação anual da CdM.

"Rádio Comédias -- A imaginação Sem fios" é outro projeto que a organização elenca e que já se pode "escutar, ver e ler", no sítio da Internet das Comédias do Minho (www.comediasdominho.com).

No eixo do projeto comunitário, a organização refere a 10.ª edição do Festival Itinerante de Teatro de Amadores do Vale do Minho (10.º FITAVALE), para o qual cada um dos atores da Companhia das Comédias dirige um grupo de amadores de um dos cinco municípios envolvidos.

CCM // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Cinco escritórios foram assaltados em Santa Maria da Feira

Vários escritórios foram assaltados em Santa Maria da Feira este sábado de madrugada. Os assaltantes levaram computadores, televisores e dinheiro.

Detetado oitavo e nono caso suspeito de Coronavírus em Portugal. Um deles está no Hospital S. João, no Porto

Foi detetado o oitavo e nono caso suspeito de infeção por novo Coronavírus (COVID-19) em Portugal informa a Direção-Geral da Saúde em comunicado. Os doentes estão internados no Centro Hospitalar Universitário de São João no Porto e no Hospital Curry Cabral em Lisboa.

(em atualização)

Covid-19: INEM garante estar preparado para transporte de doentes mas sindicato contesta

O INEM garante que está preparado para o transporte de doentes com coronavírus, com material adequado e em condições, estando os profissionais a receber formação para o manusear, uma posição contestada pelo sindicato, que pede agora apoio à tutela.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.