Info

VianaPolis quer ser ressarcida em 845 mil euros por "ocupantes" do prédio Coutinho

| Norte
Porto Canal com Lusa

Viana do Castelo, 22 jan 2020 (Lusa) - A Vianapolis interpôs uma ação de responsabilidade civil contra os "ocupantes" do prédio Coutinho, em Viana do Castelo, para ser ressarcida de 845.197,80 euros pelo adiar da desconstrução do edifício, informou hoje a sociedade.

Em comunicado, a sociedade que gere o programa Polis explica que a ação, entregue no dia 14 no tribunal judicial de Viana do Castelo, resulta da "não entrega voluntária das chaves das frações, o que deveria ter ocorrido na sequência da sua posse administrativa e, de modo ainda mais evidente, após a propriedade das frações ter sido judicialmente adjudicada à VianaPolis".

Em dezembro de 2019, em declarações à agência Lusa, fonte daquela sociedade tinha avançado que aquela ação iria ser formalizada em janeiro.

Na ocasião, a mesma fonte adiantou que a "ocupação ilegal" das frações onde residem os últimos moradores no edifício de 13 andares "obrigou a nova prorrogação do prazo de vida da VianaPolis, por mais um ano".

"A ação judicial dará entrada até final de janeiro reclamando uma indemnização por todos os custos associados à desobediência das decisões judiciais", sustentou na altura a fonte da sociedade detida em 60% pelo Estado e, em 40%, pela Câmara de Viana do Castelo.

A 05 de julho do ano passado, em declarações aos jornalistas, em Viana do Castelo, o ministro Matos Fernandes disse que os últimos moradores no prédio Coutinho vão ser processados pelos custos causados ao Estado, desde outubro de 2016, com o adiar da desconstrução do edifício.

Matos Fernandes adiantou que a sociedade VianaPolis "custa cerca de 30 mil euros por mês".

Além daquela ação, os últimos moradores começaram a ser ouvidos, em dezembro, no âmbito de uma queixa-crime interposta, em junho último, pela sociedade, por "ocupação ilegal de bem público".

Nesse mês, a VianaPolis iniciou o despejo "de seis frações", na sequência de uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga (TAFB) que declarou improcedente a providência cautelar movida em março de 2018.

No entanto, aqueles moradores recusaram sair e, em julho, o mesmo tribunal aceitou uma nova providência cautelar e suspendeu os despejos e a desconstrução do edifício.

A contestação à habilitação de herdeiros da mulher de um dos moradores no prédio Coutinho, que morreu durante a tentativa de despejo, está a atrasar o desfecho dessa providência cautelar.

O edifício Jardim, localmente conhecido como prédio Coutinho, tem desconstrução prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis, mas a batalha judicial iniciada desde então pelos moradores tem vindo a travar o processo.

ABC // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Jovem que viajava na TAP com suspeita de coronavírus transportada para o Hospital de São João

Uma jovem espanhola, de 22 anos e natural da Galiza, que viajava num voo da TAP proveniente de Milão-Malpensa e que obrigou os passageiros a ficarem retidos no aeroporto Francisco Sá Carneiro, foi transportada para o Hospital de São João, apurou o Porto Canal no local.

Atualizado 26-02-2020 17:36

Cervejaria Galiza no Porto entra em processo de insolvência “controlada”

A Cervejaria Galiza, estabelecimento da cidade do Porto que desde novembro está a ser gerido pelos funcionários, vai entrar em insolvência, um processo que será “controlado” de forma a manter o espaço aberto, indicaram hoje representantes dos trabalhadores.

PS Porto pede reversão do processo de extinção de freguesias na cidade

A concelhia do PS/Porto quer desagregar as freguesias da cidade. O presidente da concelhia, Tiago Barbosa Ribeiro, diz que a reforma levada a cabo pelo governo de Passos Coelho violou o património identitário.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.