Info

Forte de S. Miguel, na Nazaré, ultrapassa um milhão de visitantes

| País
Porto Canal com Lusa

Nazaré, Leiria, 09 dez 2019 (Lusa) -- O Forte de S. Miguel Arcanjo, na Nazaré, atingiu um milhão de visitantes desde a abertura ao público do monumento, que só este ano já foi visitado por mais de 300 mil pessoas, divulgou hoje a câmara.

"Houve um aumento de visitantes em todos os espaços culturais, mas o Forte [de S. Miguel Arcanjo] mantém-se como o monumento mais icónico, tendo já ultrapassado, em novembro, os 300 mil visitantes", disse hoje à agência Lusa o presidente da câmara da Nazaré, Walter Chicharro (PS).

Os dados hoje divulgados demonstram que, desde a sua abertura ao público, em 2014, o monumento "registou 1.000.000 visitantes, oriundos de 120 países", o que, para o autarca, reflete "a importância do Farol como fator promocional da Nazaré e do país, no âmbito das ondas gigantes e da promoção que tem sido feita em vários pontos do mundo, quer pelo município quer pelo Turismo de Portugal".

O Forte, que foi cedido pelo Estado à autarquia, em 2014, abriu ao público nesse ano, entre os meses de julho e novembro, tendo recebido 41.876 visitantes.

A partir de 2015, passou a estar aberto praticamente todo o ano, tendo nesse ano sido visitado por 80.099 pessoas.

Em 2016 recebeu 121.374 visitantes, em 2017 174.059, em 2018 251.693 e, finalmente, este ano "os números ainda não estão fechados, mas a fasquia dos 300 mil já tinha sido ultrapassada o mês passado", vincou o presidente.

Numa nota às redações, a câmara anunciou hoje "um crescimento no número de visitas à oferta disponibilizada pelos equipamentos culturais do município", entre os quais o Centro Cultural da Nazaré, que registou, em 2019, "um aumento de mais de mil visitantes em comparação com o ano anterior".

O espaço de exposições e divulgação da cultura e etnografia da Nazaré recebeu já este ano 44.196 visitantes "que procuraram conhecer melhor a oferta disponibilizada pelo espaço ao longo desses meses", com a realização de perto de uma dezena de exposições temporárias.

A estas junta-se o Centro Interpretativo do Museu (vivo) do Peixe Seco, um dos núcleos do Museu dedicado a uma arte ancestral que "tem recebido muitos pedidos de visitas educativas, de grupos organizados, quer de escolas quer de outras instituições", afirmou Walter Chicharro.

O Centro Cultural tinha registado, em 2018, 43.121 visitas, denotando uma tendência de crescimento: 41.436 em 2017; 32.715 em 2016 e 31.662 em 2015.

Números que "evidenciam o momento alto de notoriedade" que afirma a Nazaré "cada vez mais como uma marca global", acrescentou o autarca, exemplificando com "a escolha das ondas da Nazaré para representar Portugal numa grande campanha de marketing do Turismo em Nova Iorque (Times Square), nos Estados Unidos".

A aposta no surf e na promoção das ondas grandes geradas pelo canhão da Nazaré, um dos maiores desfiladeiros submarinos da Europa "deram os seus resultados", afirmou o autarca, ressalvando que o interesse gerado pela Nazaré é visível também "através de indicadores do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT)".

Quanto ao ascensor da Nazaré, em 2016, transportou cerca de 900.000 passageiros por ano e, desde 2017, "ultrapassou significativamente esse número, o que, segundo o IMT, faz com que este transporte centenário seja o mais procurado do país", superando, de acordo com o autarca, elevadores históricos em Lisboa e no Porto.

DA // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: País

Governo disponibiliza 11 milhões de euros para apoiar agricultores afetados pelas depressões Elsa e Fabien

O governo vai disponibilizar 11 milhões de euros para apoiar os agricultores que foram mais afetados pelos efeitos das depressões Elsa e Fabien.

Juiz Neto de Moura muda de nome profissional após acórdão polémico de violência doméstica

O juiz do Tribunal da Relação do Porto, Neto de Moura, mudou de nome profissional para não ser estigmatizado com o polémico acordão em que citou a bíblia para justificar violência doméstica.

Policía Judiciária suspeita que Rui Pinto é o denunciante dos 'Luanda Leaks'

A Polícia Judiciária suspeita que Rui Pinto seja o denunciante doa 'Luanda Leaks'. A notícia é avançada na edição deste sábado do jornal Público que dá conta da coincidência entre os ficheiros encontrados na posse do português e os documentos na origem da investigação ao escândalo de corrupção em África.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.