Info

Alunos na escola Rodrigues de Freitas contra falta de funcionários e exames nacionais

| Norte
Porto Canal com Lusa

Um grupo de alunos manifestou-se hoje frente à Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas, no Porto, para sensibilizar a opinião pública e o Governo para a falta de funcionários, a sobrecarga horária e pelo fim dos exames nacionais.

“Estou a protestar porque temos poucos funcionários nesta escola, porque não queremos ter exames e porque temos pouco tempo livre. Às vezes só temos intervalos de cinco minutos e aulas de 50 minutos”, explicou à Lusa, Maria Pedro, aluna do 6.º ano de escolaridade.

Ao seu lado, o colega Rodrigo Ramos considerou também que “é injusto estar 50 minutos dentro da sala e cinco ou 10, no máximo, de intervalo. Devíamos ter intervalos, por exemplo, de 30 minutos, outro de 20 e outro de 15”.

“Também estou aqui por causa dos exames, a minha irmã estava no 9.º ano e fez exames com a matéria do 9.º, do 8.º e do 7.º ano. Devia ser só do 9.º, é muita coisa para a nossa cabeça”, acrescentou o aluno.

Esta ação realizada na Rodrigues de Freitas integra-se no apelo à semana de luta dos estudantes do Ensino Básico e Secundário, apelo esse lançado pela Associação de Estudantes da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, em Almada.

Com base neste apelo, “dezenas de escolas” sairão à rua durante esta semana, disse à Lusa Alexandra Pinto, estudante do ensino superior que “ajudou” na organização do protesto na Rodrigues de Freitas.

Questionada pela Lusa, a aluna da Faculdade de Letras do Porto explicou que a sua presença se justificava com o facto de “a luta dos estudantes” ser “conjunta” e “abranger todos os graus de ensino”.

“Aqui lutamos por mais funcionários, pelo fim dos exames e por mais tempo livre, na Universidade a luta é contra as propinas e também contra o excesso de carga horária e a falta de funcionários”, acrescentou.

+ notícias: Norte

Diretor Nacional da Polícia Judiciária garante morte de Luís Giovani não foi um crime racial

O Diretor Nacional da Polícia Judiciária garantiu, em conferência de imprensa na manhã desta sexta-feira, que a morte do jovem cabo-verdiano Luís Giovani não se tratou de um crime racial, mas de um homicídio violento que teve por base motivos fúteis.

Câmara de Lisboa compra imóveis ao Estado abaixo do valor de mercado e à autarquia do Porto exigem valor três vezes acima 

Há dois anos, a Câmara Municipal do Porto tentou comprar imóvel devoluto, o antigo lar da mendicidade nas Fontaínhas, mas o Estado pediu verba três vezes acima do valor de mercado. Contrariamente ao que aconteceu esta semana em que a Câmara de Lisboa adquiriu onze imóveis a preço abaixo do valor de mercado para arrendamento acessível, lesando o Estado em 3,5 milhões de euros, de acordo com o Tribunal de Contas.

Cinco suspeitos detios pela morte de jovem em Bragança

Foram detidos cinco homens, com idades entre os 22 e os 35 anos, suspeitos da morte do jovem estudante Luís Giovani Rodrigues, em Bragança, de acordo com comunicado da Polícia Judiciária enviado à redação do Porto Canal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.