Info

Pescadores açorianos passam a dispor de 228 toneladas de quota de goraz até fim do ano

| Economia
Porto Canal com Lusa

Ponta Delgada, Açores, 14 out 2019 (Lusa) -- Os pescadores açorianos passam a dispor de 228 toneladas de quota de goraz até ao final do ano, "devido a um acerto do consumo de quota" daquela espécie, anunciou hoje o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia.

"Os Açores ainda dispunham de 175 toneladas de quota de goraz, às quais se somam agora 53 toneladas, na sequência da publicação de um regulamento da Comissão Europeia que adiciona às quotas de pesca para 2019 quantidades não consumidas em 2018", segundo explica uma nota do executivo açoriano.

Citado na mesma nota, o secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia, Gui Menezes, adianta que o Governo Regional, no seguimento desta notícia, decidiu aumentar o limite máximo de capturas de goraz permitidas por embarcação para 3% da quota global atribuída aos Açores para esta espécie.

De acordo com o despacho, que foi posto a consulta do setor e que deve ser publicado esta semana em Jornal Oficial, as embarcações açorianas passam a poder capturar, até ao final do ano, até um limite máximo de cerca de 17 toneladas de goraz.

Até agora, cada embarcação de pesca regional tinha como limite de captura 2% da quota total desta espécie para os Açores.

O titular da pasta do Mar nos Açores sublinhou que esta medida visa o "aproveitamento integral" das possibilidades de pesca para este ano.

"É no final do ano que o goraz atinge valores mais elevados na primeira venda, sobretudo no mercado espanhol", acrescentou o governante.

Segundo a Secretaria Regional do Mar, "a região consumiu, até à data, 391 das 566 toneladas que estavam disponíveis para este ano e que se traduzem em 5,2 milhões de euros na primeira venda".

APE // MCL

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Ministro das Infraestruturas afirma que se acordo sobre cargas e descargas "não funcionar o Governo vai ter que intervir"

O ministro das Infraestruturas deixa claro que se o acordo assinado entre Governo, patrões e sindicatos para regular as operações de cargas e descargas não funcionar, o Governo vai mesmo intervir. Pedro Nuno Santos destaca que caso mais grave é o da grande distribuição.

Mais de 100 autarquias vão ter que devolver IMI dos parques eólico e município de Montalgre pede alternativa para cobrir perdas

O presidente da Câmara de Montalegre voltou a lamentar a decisão dos tribunais que consideraram ser cobrança indevida do Imposto Municipal Sobre Imóveis aos parques eólico. A situação vai obrigar as autarquias a devolver o dinheiro até agora recebido o que significa um grande corte no orçamento.

 

Trabalhadores precários manifestaram-se no Porto por aumentos salariais

Esta sexta-feira de manhã houve no Porto um protesto contra a precariedade dos trabalhadores das empresas do comércio que contou com o apoio da CGTP.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.