Info

Presidente da Câmara de Penamacor de "consciência tranquila" após acusação por viagem à Turquia

| Política
Porto Canal com Lusa

Penamacor, Castelo Branco, 20 set 2019 (Lusa) - O presidente da Câmara de Penamacor afirmou hoje que está de "consciência tranquila" e que continua a ter condições para exercer o cargo, apesar de ter sido acusado no processo da viagem à Turquia que foi paga por uma empresa.

"Como se costuma dizer, quando a gente tem a consciência tranquila, porque é que não está tranquilo no sítio onde está?", referiu António Luís Beites (PS) no final da sessão pública do executivo e em resposta à pergunta dos jornalistas sobre se continuava a ter condições políticas para se manter no cargo.

António Luís Beites e Manuel Joaquim Robalo, respetivamente presidente e vice-presidente da Câmara de Penamacor, foram acusados pelo Ministério Público (MP) do alegado "recebimento indevido de vantagem" por terem participado numa viagem à Turquia que foi paga totalmente paga por uma empresa.

A acusação foi conhecida esta semana e acabou hoje por ser tema na sessão pública do executivo, com Filipe Batista - vereador eleito pelo movimento independente que fez a queixa que deu origem à investigação - a citar excertos da acusação e a questionar os dois autarcas sobre se continuavam a achar que tinham condições para se manterem em funções.

Na resposta, António Luís Beites limitou-se a sublinhar que ele e vice-presidente têm "confiança na Justiça" e que, por isso mesmo, aguardarão o desenrolar dos "trâmites legais" do processo.

Apesar de ter dado o assunto por encerrado, já no fim da sessão, António Luís Beites voltou a ser questionado pelos jornalistas e acrescentou apenas que continuará a exercer funções com "toda a naturalidade", tendo reiterado que está de consciência "completamente" tranquila.

Além da acusação pelo alegado recebimento indevido de vantagem, os dois autarcas do distrito de Castelo Branco também enfrentam o pedido de perda de mandato como pena acessória.

No âmbito deste caso, o MP ordenou ainda investigação a 15 outros municípios que, alegadamente, também participaram na viagem à Turquia.

Os factos remontam a abril de 2015, altura em que uma comitiva "viajou a Istambul de forma gratuita", com as despesas "totalmente suportadas" pela 'Ano - Sistemas de Informação e Serviços', quando "decorriam negociações com alguns dos municípios convidados, com vista à venda/aquisição" de produtos de software que a empresa de informática comercializava, "particularmente com o município de Penamacor".

Além dos autarcas de Penamacor, o MP sustenta que "foram também convidados e participaram na viagem vários elementos de outros" 15 municípios: Amarante, Amares, Baião, Cabeceiras de Basto, Ferreira do Alentejo, Leiria, Mêda, Mondim de Basto, Marco de Canaveses, Nordeste, Pinhel, Póvoa de Lanhoso, Santa Maria da Feira, Vila Nova de Famalicão e Vizela.

A acusação acrescenta que na viagem participaram igualmente elementos da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM BSE) e de empresas municipais de Almada (ECALMA) e de Guimarães (VIMÁGUA).

Segundo o referido, a viagem foi "essencialmente lúdica" e a empresa pretendia cair "nas boas graças" dos autarcas para os convencer a comprarem as respetivas soluções informáticas.

De acordo com os dados apontados, a viagem teve um custo total de 35 mil euros, pelo que o "recebimento indevido de vantagem" que terá beneficiado os dois autarcas de Penamacor cifrou-se no valor de 885 euros, cada.

A acusação acredita que a alegada estratégia da empresa para conseguir vender os programas foi bem-sucedida em Penamacor, dado que, depois da viagem, a autarquia renovou alguns contratos que tinham sido estabelecidos anteriormente e procedeu à celebração de um novo contrato "por "ajuste direto", bem como à aquisição de novas soluções e equipamentos.

Com cada um dos pagamentos detalhados, é igualmente referido que, entre novembro de 2015 e outubro de 2018, a Câmara de Penamacor despendeu cerca de 62 mil euros no âmbito das relações comerciais com a empresa em causa.

CYC (JGS) // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Luís Montenegro: "Comigo não vai haver acordos entre o PS e o PSD"

Luís Montenegro garante que com ele na liderança do PSD não haverá acordos com o PS, nem que seja para negociar orçamentos. O já assumido candidato à liderança dows sociais democratas espera a disponibilidade de Rui Rio para que haja uma maior clarificação de ideias para o futuro do partido.

Autarcas do Grande Porto pedem mais autonomia na organização de atos eleitorais

Cinco autarcas de freguesias de concelhos do Grande Porto vão pedir à Comissão Nacional de Eleições e ao Ministério da Administração Interna que confira às Juntas maior autonomia na organização dos atos eleitorais. Os Presidentes de Junta referem que no passado domingo foram muitos os eleitores que enfrentaram excessiva e inaceitável demora no exercício do direito de voto e, por isso, pedem mudanças.

Diana Ferreira diz que orçamento do hospital de S. João "é insuficiente"

A recém-reeleita deputada do PCP pelo Porto, Diana Ferreira, quis fazer um ponto de situação sobre a construção da nova ala pediátrica do hospital de São João e reuniu-se esta sexta-feira com a administração. Sobre a obra, está tudo a correr como previsto. Já sobre o orçamento do hospital, Diana Ferreira saiu com a certeza de que é insuficiente.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.