Lucros da Galp descem no primeiro semestre do ano

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 29 jul 2019 (Lusa) -- O lucro da Galp desceu 52% no primeiro semestre deste ano comparativamente ao período homólogo, de 462 milhões de euros para 223 milhões de euros, anunciou hoje a petrolífera.

Relativamente ao segundo trimestre deste ano, o lucro também baixou, de 332 milhões de euros, no segundo trimestre de 2018, para 231 milhões de euros, ou seja uma quebra de 30%, de acordo com as normas contabilísticas internacionais (IFRS).

O relatório da Galp Energia, SGPS, S.A. divulgado hoje pela Comissão de Mercados de Valores Mobiliários (CMVM)

O EBITDA RCA (resultado ajustado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) aumentou 2% no primeiro semestre, face ao mesmo de 2019, subindo de 1,08 mil milhões de euros para 1,10 mil milhões de euros.

No segundo trimestre, o EBITDA RCA desceu de 628 milhões de euros para 615 milhões de euros, comparando períodos homólogos.

A dívida líquida desceu no primeiro semestre 8%, de 1.738 milhões de euros para 1.598 milhões de euros.

Quanto ao segundo trimestre, desceu de 1,7 mil milhões de euros para 1,5 mil milhões de euros.

SB // SB

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Passageiros nos aeroportos mais que quadruplicam no 2.º trimestre para 14,5 milhões

O número de passageiros nos aeroportos nacionais mais do que quadruplicou no segundo trimestre deste ano, crescendo 329,3% em relação ao período homólogo, para 14,5 milhões, indicou a ANAC -- Agência Nacional de Aviação Civil.

Risco de falta de água vai atingir 17% dos europeus até 2050

Cerca de 17% da população europeia está em grande risco de escassez de água até 2050, o que poderá afetar 13% do PIB da Europa, indica uma análise hoje divulgada pela organização “World Wide Fund for Nature” (WWF).

Alterações climáticas: Norte da Europa vive confortavelmente à custa da agricultura intensiva portuguesa

No norte da Europa consomem-se produtos hortofrutícolas à custa da agricultura intensiva praticada em Portugal, com recurso à exaustão de água e dos solos, em aparente contradição com o discurso de adaptação às alterações climáticas.