Info

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar
| País
Porto Canal com Lusa

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

"Há cada vez mais agressões e nada se tem feito para considerar a profissão de risco", disse à agência Lusa o presidente da APG, César Nogueira, a propósito dos militares que hoje de madrugada ficaram feridos numa operação de fiscalização de trânsito no distrito de Coimbra.

O presidente da associação socioprofissional mais representativa da Guarda Nacional Republicana adiantou que tem colocado várias vezes a questão dos militares agredidos em serviço ao Ministério da Administração Interna, mas esta profissão "ainda não é considerada pelo Estado como de risco".

"O ministro da Administração Interna afirma vária vezes que sente um carinho especial pela GNR, mas esse carinho não se sente no trabalho do dia a dia", disse, dando como exemplo que um militar da GNR recebe menos 100 euros do que um agente da PSP.

Questionado sobre se a APG tem números de quantos militares da GNR foram agredidos nos últimos tempos, César Nogueira disse que a associação não tem esse dados, mas adiantou que foram "bastantes este ano e no ano passado".

"Há cada vez mais militares da GNR que são agredidos em serviço", insistiu, sublinhando que este aumento é "consequência do sentimento de impunidade de quem pratica as agressões".

O presidente da APG defendeu penas mais pesadas para quem agride um agente de autoridade, salientando que, apesar de ser um crime público, a maioria das vezes tal não é considerado pelos tribunais.

César Nogueira disse também que há outras questões para explicar as agressões aos militares da GNR, como a falta de efetivo.

"Enquanto não houver mais elementos, é diferente fazer uma patrulha constituído por dois elementos do que fazer uma patrulha com quatro militares", frisou.

O presidente da APG disse também que o caso registado hoje de madrugada é diferente, uma vez que foi utilizada arma de fogo e a maior parte dos militares da GNR são alvo de agressões físicas.

Os dois militares da GNR sofreram ferimentos ligeiros depois de terem sido "atingidos com disparos de arma de fogo" numa operação de fiscalização de trânsito, cerca das 01:10 de hoje no Itinerário Complementar 2 (IC2), junto ao posto de combustível da Repsol, na freguesia de Cernache.

Segundo a GNR, um dos militares foi transportado para o hospital.

César Nogueira contou que esta patrulha de dois militares se deslocava para uma operação de trânsito programada pela GNR, mas no percurso teve de fazer a fiscalização a uma viatura.

Enquanto os militares estavam a ver os dados do carro, os ocupantes puseram-se em fuga e disparam tiros.

O presidente da APG disse ainda que os dados da viatura em fuga são conhecidos e que havia três ocupantes.

+ notícias: País

Bastonário dos Advogados afirma que 'habeas corpus' para a mulher que abandonou o bebé no lixo foi "uma questão de instrumentalização" 

Guilherme de Figueiredo, Bastonário dos Advogados, critica a postura do grupo de advogados que pediram um 'Habeas Corpus' para libertar a mulher de 22 anos que abandonou o bebé. Considera que foi mais uma questão de instrumentalização do assunto do que propriamente uma questão de defesa.

Falta de medicamentos nos hospitais obriga alguns utentes a fazer 200 km para levantar fármacos

Marta Temido admite que a tutela está a acompanhar com elevada preocupação as ruturas diárias no fornecimento de medicamentos dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde. A ministra da Saúde afirma também que o objetivo é colocar os medicamentos mais próximos das residências dos doentes.

Guilherme de Figueiredo afirma que a economia não se pode sobrepor ao elemento central de soberania e coesão social dos tribunais

Guilherme de Figueiredo, Bastonário dos Advogados, afirma que não se pode estar a desvalorizar o Tribunal "em nome de valores que têm haver mais com a economia" e que não se pode sobrepor ao elemento central de soberania e coesão social que são os tribunais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.