GNR e bombeiros fazem buscas por mulher desaparecida em Boticas

GNR e bombeiros fazem buscas por mulher desaparecida em Boticas
| Norte
Porto Canal com Lusa

Uma mulher de 45 anos está esta quarta-feira a ser procurada por militares da GNR e bombeiros na zona da aldeia de Campos, concelho de Boticas, distrito de Vila Real, disse fonte da Guarda e dos voluntários.

A operação de busca começou na terça-feira à tarde depois do marido ter dado o alerta para o seu desaparecimento, no entanto, a mulher terá sido vista pela última vez na segunda-feira ao início da noite.

De acordo com o comandante dos bombeiros de Boticas, Carlos Gomes, na terça-feira as autoridades fizeram buscas em todas em casas abandonadas ou armazéns da aldeia e hoje os operacionais vão procurar nas imediações da localidade.

A operação mobiliza operacionais dos bombeiros de Boticas e da GNR, que empenhou militares do posto local e do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS).

Segundo a GNR, hoje não vão para o terreno as equipas cinotécnicas devido à chuva que tem caído na região e que dificulta a atuação dos cães.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.