Info

Ministro do Ambiente aponta mais Metro do Porto na Constituição e Campo Alegre

| Economia
Porto Canal com Lusa

Porto, 05 abr (Lusa) -- O ministro do Ambiente disse hoje que a nova linha Rosa do Metro do Porto "será o início de uma [ligação] mais completa" na cidade, que passará pelas zonas da Constituição, Combatentes ou Asprela e Campo Alegre.

"Esta linha Rosa do Metro do Porto [hoje apresentada e com conclusão prevista para 2022, ligando a praça da Liberdade à Boavista], para além da procura elevada prevista, será o início de uma linha mais completa que há de atravessar a [rua da] Constituição a caminho dos Combatentes ou da Asprela, para além de ser o início do prolongamento ao Campo Alegre", afirmou João Matos Fernandes, no Porto, na cerimónia de apresentação da nova fase de expansão da rede do metro.

De acordo com o ministro, o arranque da linha Rosa, no Porto, e o prolongamento da Linha Amarela de Vila Nova de Gaia até Vila d'Este corresponde à "maior empreitada já lançada" por este Governo", num total de "mais de 300 milhões de euros" que vão permitir um crescimento de 16% nos "207 mil passageiros por dia" do metro, "ou seja, somar mais 33 mil passageiros" diários àquele meio de transporte.

ACG/PYT/ACYS // JAP

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Líder parlamente do Bloco de Esquerda afirma que o Estado deve salvar a TAP e passar a mandar como proprietário

Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do Bloco de Esquerda, afirma que o Estado deve salvar a TAP porque é uma empresa estratégica para o país e se assim o fizer passa a mandar como proprietário.

Covid-19: Quase 32 mil empresas portuguesas já recorreram ao 'lay-off'

Quase 32 mil empresas portuguesas já se candidataram ao 'lay-off' simplificado, mecanismo de salvaguarda dos postos de trabalho posto em prática para apoiar as empresas durante a pandemia de covid-19, segundo um balanço feito hoje pelo Governo.

Covid-19: Marcelo vai reunir com a banca e espera ver setor "a retribuir aos portugueses"

O Presidente da República afirmou hoje que vai reunir-se com representantes da banca e que espera ver o setor a "entrar na corrida contrarrelógio" contra a covid-19 e a "retribuir aos portugueses" os apoios que teve.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.